As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Biblioteca Ambiental da SEMA em Macapá / 2012

Ilustração: SEMA-AP
As bibliotecas são locais de aprendizado e de aquisição de conhecimento. As ambientais, além dessas características, fomentam o desenvolvimento de cidadãos ecologicamente conscientizados, dando suporte para pesquisas. 
No acervo da Biblioteca Ambiental da SEMA encontramos mais de 20 mil obras direcionadas aos temas ambientais, como:  unidades de conservação, áreas de ressaca, legislação e educação ambiental. 


"A Biblioteca Ambiental exerce então um papel importante em disseminar informações para a formação de uma sociedade crítica e sensível ao meio ambiente."
(Texto: Banner da Biblioteca Ambiental da SEMA)

Este ano recebemos mais de mil pessoas, entre estudantes, pesquisadores e técnicos da área ambiental.
 Alguns visitantes na Biblioteca SEMA / NIDA
O NIDA (Núcleo de Informação e Documentação Ambiental), é um importante centro da difusão ambiental e está de portas abertas de segunda à sexta-feira.

Horários: Manhã: 8 às 12hs Tarde: 14:30 às 18hs.

O SBT-AP exibiu uma reportagem sobre a biblioteca em 22/11/2012, onde a Gerente Rosa Dalva fala dos principais pontos referentes ao local, também desconhecidos por grande parte da população.
 
Rosa Dalva (Gerente da Biblioteca SEMA-AP) e Lanna Coelho (repórter).


Pontos abordados:
- No espaço os estudantes podem realizar pesquisas de cunho ambiental durante o ano todo.
- O principal objetivo do Núcleo de Informação e Documentação Ambiental e estar disponibilizando informações sobre as questões ambientais.
- A gente recebe todo tipo de público: do fundamental ao doutorando.
- No local existe também videoteca, memorial institucional da SEMA e computadores para pesquisas on-line.
"Do mesmo modo que o campo, por mais fértil que seja, 
sem cultivo não pode dar frutos, assim é o espírito sem estudo." 
(Cícero)

Mais alguns visitantes na biblioteca:
Lourdes (Educadora Ambiental da SEMA) doando a publicação "Unidades de Conservação no Brasil - O caminho da Gestão para Resultados" da RIMA Editora (2012).  
O livro traz 26 capítulos sobre a gestão de unidades de conservação no país, mostrando a importância das UCs na preservação da biodiversidade brasileira e com abordagens e estratégias para o cumprimento de suas missões. Tem 536 páginas e se constitui em mais uma ferramenta de pesquisa ambiental no acervo da Biblioteca SEMA.
Agradecimentos à Lourdes e a todos que tem a visão de contribuir com a difusão do conhecimento. Seria tão positivo se houvesse entre os pesquisadores e estudantes a atitude mais frequente de divulgar suas produções nas bibliotecas.
Jadson Porto (professor e pesquisador amapaense) doando a publicação, "Reformatações Fronteiriças no Platô das Guianas: (RE) territorialidades de cooperações em contruções" da Editora Publit (2011).  
É uma coletânea de 8 artigos, fruto das pesquisas de mais de 20 autores, sobre as questões da cooperação transfronteiriça no Platô das Guianas. Com a crescente procura de informações sobre a fronteira Brasil/Guiana Francesa (principalmente devido a expectativa e perspectivas pela inauguração da ponte binacional prevista para 2013), esta publicação constitui-se em mais uma valiosa fonte de consultas no acervo da Biblioteca SEMA.
Jadson Porto tem doutorado em economia, já recebeu o Prêmio Santander em 2005 (premiação de incentivo ao empreendedorismo no meio acadêmico) e é especialista no estudo sobre Faixa de Fronteira e Desenvolvimento Regional do Amapá e Amazônia. Suas publicações e artigos estão disponibilizados em jadsonporto.blogspot.com.br

Simãozinho Sonhador, poeta nordestino (de camisa laranja) divulgando sua obra mais conhecida "O Novo ABC da Mulher". Os livros são vendidos pelo autor, que manda imprimir uma pequena quantidade e sai divulgando pela cidade. Novas edições são impressas, em limitado volume também, somente quando os exemplares disponíveis com Simãozinho se esgotam. Foi desse jeito que já vendeu mais de 15 mil exemplares. 
Reside em Macapá há mais de 15 anos e já foi tema de documentário premiado no DocTV / TV Cultura (2009 - Veja AQUI). "O Novo ABC da Mulher", logicamente, é uma exaltação e tributo as mulheres, em versos simples sem perder a rima.

"Não fique na solidão
Procure a mulher amada
Procure evitar o frio
No cair da madrugada
Sem o calor da mulher
Você não consegue nada.

Te agradeço mulher amada
A sua categoria
Este mundo sem você
Também não tem alegria
E prazer não se manifesta
Sem você não há poeta
Nem tampouco poesia" 

(Simãozinho Sonhador - Versos de Tributo a Mulher em O Novo ABC da Mulher)
Rosa Dalva (Gerente da Biblioteca), Grayton Toledo (Secretário da SEMA-AP) e o aventureiro.

Richard Rasmussen, O Aventureiro Selvagem, esteve no Amapá (agosto/setembro) gravando programas para o SBT e National Geographic, a serem exibidos em 2013. A Biblioteca SEMA foi também roteiro de suas visitações, onde doou o livro "As Aventuras do Richard" (Ediouro - 2009). 
O livro tem 144 páginas e, além da auto-biografia, mostra também momentos marcantes das viagens em busca de animais exóticos pela Amazônia, Pantanal, Cerrado, litoral brasileiro, deserto peruano e Patagônia argentina (com ilustrações, imagens de bastidores e ficha técnica de diversos bichos raros, exóticos e peçonhentos). Fica aí a dica para leitura do capítulo Amapá, a terra da pororoca (página 132 a 135) onde o aventureiro, além de falar da pororoca, enfatiza também o Tamanduaí (tu não sabes o que é isso? Ih, vai te informar!). Olha o que está escrito no livro:
"Gente, existem dois animais brasileiros que ainda não consegui ver na natureza: um é o tatu-canastra e outro é o tamanduaí. Se eu conseguir gravar esse bicho, vou fazer o Amapá mais famoso do que já é (...) Deus foi generoso e nos presenteou com mais um tamanduaí, em plena atividade, alimentando-se e com um bônus, um filhote agarrado às costas, fato que nunca presenciei em documentários. Este é o Amapá, uma terra esquecida por nós, brasileiros, mas abençoada por Deus".
A publicação pode ser consultada na Biblioteca Ambiental da SEMA.

A Biblioteca SEMA agradece também a:

Diovani Silva e Jonathan Viana, jovens historiadores no Amapá que lançaram, em 06/12/2012, a obra "Cabralzinho: a construção do mito de um herói inventado na sociedade amapaense" (Schoba Editora - 2012). O evento foi na Biblioteca Pública Elcy Lacerda e os autores doaram um exemplar para a Biblioteca SEMA.

O livro resultou de uma pesquisa acadêmica e oportuniza um debate interessante sobre a figura histórica de Cabralzinho. Divulga fatos pouco conhecidos e também uma avaliação crítica sobre a representatividade dos mitos na sociedade. A história não se resume aos atos de uma pessoa conhecida e é isso que os autores se propõem a nos mostrar. 
Tem 144 páginas e traz fotos e documentos históricos relacionados a Cabralzinho. A quem interessar, está disponível para consultas nas bibliotecas SEMA  e Elcy Lacerda, podendo ser adquirida em livrarias e bancas de revistas em Macapá.

Alci Conceição de Jesus, educador amapaense que lançou, em 15/06/2012, a obra "Maconha: o que há por trás dessa planta... você precisa saber" (JM Editora - 2012). O evento foi na Biblioteca Pública Elcy Lacerda e o autor encaminhou um exemplar à Biblioteca SEMA
O folheto de 32 páginas é uma pesquisa pedagogiamente elaborada sobre essa droga. Objetiva a formação de indivíduos esclarecidos, com dados científicos e não meramente casuais, para se posicionarem diante de situações que a vida nos propõem como prova. Olha aí amigos professores! A obra é muito adequada para ser divulgada em nossas escolas.
O jovem à direita é Pedro Thiago Souza que, na ocasião, compartilhou seu projeto de publicar o livro "11 Segundos: um relato de experiências de um dependente químico". Ficamos na expectativa para que tenha o apoio necessário para a publicação, certamente de grande contribuição como literatura informativa.

 
Romualdo Rodrigues Palhano, professor, escritor e pesquisador do teatro amapaense. Em 19/09/2012 lançou a obra infantil "O Pato e o Lago" (Editora Sal da Terra - 2012), na Biblioteca Pública Elcy Lacerda. Professor Palhano é autor do primeiro livro infantil publicado no Amapá (veja AQUI) e gentilmente doou mais de uma vez exemplares de suas publicações para a Biblioteca SEMA. Veja AQUI e AQUI mais duas de suas obras lançadas em Macapá e acompanhe suas produções em blogdoprofpalhano.blogspot.com.br.

Agradecemos ao jornal "Ambiente Total" que, a cada nova edição, tem feito chegar alguns exemplares ao acervo da Biblioteca SEMA. O jornal circula mensalmente, trata de questões ambientais, destacando o Amapá, está em sua 16ª edição e pode ser encontrado nas bancas de revistas de Macapá. É uma ótima referência para pesquisas. 
Contatos: ediprado@hotmail.com

Homenagem dos amigos da Biblioteca SEMA a José Clementino, pessoa sempre solícita e atenciosa que trabalhou  em nossa equipe desde 2001, vindo a se aposentar este ano. Seu Clementino, meu parceiro de visitações em bibliotecas e exímio contador de histórias e causos, receba as homenagens e agradecimentos dos amigos.
Essa é a Biblioteca Ambiental da SEMA em Macapá agradecendo a todos que direta ou indiretamente contribuem para a divulgação e enriquecimento do nosso acervo. Um patrimônio de Macapá que está à disposição de toda a sociedade para a pesquisa ambiental.

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

 
Presépio com material reciclado elaborado por Renato Brasiliense (SEMA/NEA)

Até 2013...

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Arte de Afrane Távora na Biblioteca Pública de Macapá

Este foi o ano de reabertura da Biblioteca Pública Elcy Lacerda (em 27/04/2012) e, como era de se esperar, o local vem se apresentando como um importante centro de divulgação cultural em Macapá. Uma de suas recentes novidades é a arte de Afrane Távora encontrada no pátio da entrada, transformando o ponto em um verdadeiro jardim florido, vendo-se uma diversificação de cores, formas e seres onde havia apenas o insosso cimento.
O jovem e talentoso artista plástico amapaense vem apresentando sua arte, facilmente reconhecível, como cooperador voluntário na biblioteca. Uma de suas primeiras experimentações encontra-se na Sala de Cultura Afro-Indígena, em um vistoso painel retratando o tema (veja AQUI).
Afrane Távora tem um olhar interessante em suas obras, deixando a arte fluir em traços aleatórios, cores vibrantes e formas estilizadas que se somam em uma composição final: um mosaico de exercício à criatividade e interpretações. Essa foi sua concepção e inspiração inicial. 
Outra forma de abordagem é o direcionamento para um objetivo pré-estabelecido, mostrando elementos que resultam de pesquisas e são característicos do tema a ser apresentado, tudo também despertando os sentidos e a curiosidade, tornando a arte educativa.

Veja algumas de suas composições:
Nega do Biluca (Afrane Távora)
É uma obra digital feita no Paint onde, segundo o artista, começou a dar vazão aos desenhos e imaginação. Percebemos elementos associados ao Marabaixo. 

Aqui vemos uma grafitagem no muro do Comando Geral da Polícia Militar de Macapá, resultado de um concurso intitulado "Polícia Comunitária - Pintando a Cidadania" (em julho de 2012) onde 18 grafites foram selecionados para ilustrar o muro em uma valorização da arte de rua. Estas foram a contribuição de Afrane.
 Os artistas em ação (foto, da esquerda, retirada do agenciaamapa.com.br)
Duas pinturas encontradas na Biblioteca Elcy Lacerda: "A Crioula" (visão de uma guianense) e "Mulher no Sofá Vermelho" (um momento de intimidade casual). Nesta última o artista faz um reaproveitamento de banner descartado e sem uso.
Um de seus atuais desafios é a concepção de uma arte no banner que se encontrava na frente da Biblioteca Pública de Macapá durante a 1ª FLAP.

Afrane Távora e algumas de suas obras na Biblioteca Elcy Larcerda, Luly Rojanski - Escritora e Diretora da Biblioteca (tem livro a ser publicado, em 2013, ilustrado por Afrane) e Dimas Fulgêncio (Escritor em fase de finalização de literatura de cordel, com capa a ser idealizada pelo artista).
Representação de um livro se apresentando com suas múltiplas possibilidades ao ser aberto. Parceria de Afrane Távora e meu amigo R. Castelo em uma ilustração do processo criativo do artista. O mesmo rapidamente criou alguns desenhos a partir de traços aleatórios e deu então liberdade para meu amigo continuar. Resultou o desenho aí. 

 Eis o artista em ação na Biblioteca Pública de Macapá (em 06/12/2012).

Contatos com Afrane Távora:

afraneftavora@hotmail.com

Veja também:

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Vale do Jari, história contada em samba-enredo/2012

Em 2012, no carnaval amapaense, o Grêmio Recreativo Escola de Samba Piratas Estilizados apresentou o samba de enredo "O Encantado Vale do Jari". A proposta foi contar a história do povo na região sudoeste do Estado do Amapá, mostrando seus mitos, suas lendas, riquezas naturais e desenvolvimento. Eu não gosto de carnaval, mas penso ser interessante conhecer essa letra.

Edição: R. Castelo

"O Encantado Vale do Jari"
(Compositores: Aureliano Neck e Nonato Soledade / Intérprete:  Aureliano Neck)

Às margens do rio
O Beiradão surgiu
Era gente de todo lugar
Querendo explorar
Num sistema de semiescravidão
Trabalhavam sempre devendo ao patrão

Zé Cesário vendo a situação
Liderou a revolta da região
Os índios com medo
Dos novos habitantes
Fugiram para matas distantes.

O Regatão chegou, trouxe a cultura
Festa junina e outras misturas
Na religião, fé e devoção
Mitos e lendas na imaginação (Oh quanta)

Quantas belezas naturais
Reservas, parques florestais
Trilhas, igarapés, cachoeiras
Rios com corredeiras
Indústrias, riquezas minerais
Mas chegou a emancipação
Beiradão se desmembrou de Mazagão
Nasceu então o Laranjal do Jari 
Com desenvolvimento sustentável
O progresso veio a florir

Quem é estilizado diz aí:
O Laranjal alaranjou aqui
A Ivaldo Veras vai sacudir
Com o encantado Vale do Jari.
   
Fotos da Agência Amapá mostrando o desfile da Escola Piratas Estilizados (conhecida também como Piratinha) em 19/02/2012. É uma agremiação macapaense, fundada em 1974, com sede localizada no Bairro do Laguinho e com as cores laranja e preto (Fonte:wikipedia). 
Em 2012, com o tema citado, obteve a 4ª colocação entre as escolas que desfilaram no grupo especial do carnaval amapaense.

Pontos abordados:

Foto:Marcelo Lourenço (anos de 1980)
- A letra fala da formação do Beiradão às margens do rio Jari, que nasceu como um aglomerado de casebres devido a ocupação descontrolada na região por pessoas em busca de emprego no Projeto Jari. As condições de habitação e saneamento eram precárias resultando no que foi considerada, nos meados dos anos 1970/1980, a maior favela fluvial do mundo (Veja AQUI), sem organização na infra-estrutura e com graves problemas sociais (prostituição, violência, drogas e desemprego). Hoje deu lugar ao município de Laranjal do Jari, emancipado e desmembrado do município de Mazagão em 1987 pelo Decreto Estadual Nº 7.639 (Veja AQUI). Na publicação "O Poder Municipal do Amapá no Novo Milênio" (2002) encontramos a história de como foi ocorrendo a formação do Beiradão relatada por seu suposto primeiro habitante (Veja AQUI).

José Júlio de Andrade
(1930)
 - A exploração citada refere-se ao extrativismo de produtos amazônicos na região do Jari (borracha, andiroba, copaíba, castanha, etc) e ao modo como os trabalhadores eram tratados. No final do século XIX e início do século XX veio muita gente trabalhar na região, principalmente nordestinos. Trabalhavam na informalidade, liderados por capatazes que frequentemente impunham uma rígida disciplina. Não havia vínculo empregatício e imperava o aviamento, praticamente um sistema de escravidão. Acompanhe: os empregados recebiam mercadorias para suas necessidades básicas e o salário ficava comprometido em pagá-las. Essas mercadorias eram superfaturadas, o valor era descontado no pagamento e nada sobrava a não ser a contínua necessidade de adquirir mais produtos e assim acumular mais dívidas com o patrão. A migração na região deveu-se aos investimentos iniciados pelo Coronel José Júlio de Andrade, que tornou-se também um influente político, era considerado o maior latifundiário do mundo e tinha fama de governante com mão-de-ferro, que mandava castigar severamente os insurgentes (minha avó testemunhou-me umas ações assim). Há também publicações que o mostram como uma pessoa branda, sendo sua má fama consequência das ações severas de seus capatazes. De qualquer maneira, os negócios eram conduzidos de modo rígido, sem muito domínio da tecnologia, com os empregados sujeitos aos desmandos e sem direitos trabalhistas assegurados. É disso que a letra do samba está falando.  Fonte: "Jari: 70 anos de história" de Cristovão Lins.

- Zé Cezário, citado na segunda estrofe, foi um trabalhador que liderou “A revolta de Cezário” (em 1928), onde insurgentes tomaram um navio na região e prenderam alguns capatazes conhecidos pela severidade e crueldade, tornando-se uma manifestação de insatisfação e revide aos frequentes maus tratos. A rebelião eclodiu devido a esposa de Zé Cezário ter sido vítima de assédio ou maus tratos por parte de Duca Neno (cunhado do Coronel José Júlio de Andrade, famoso como um dos capatazes mais cruéis). Após o movimento muitos voltaram a trabalhar na região do Jari novamente e a rebelião ficou registrada como uma das páginas mais depreciativas na história da região da Jari nos tempos do Coronel Zé Júlio, (Fonte: "Jari: 70 anos de história" de Cristovão Lins).
Sugestão de leitura: "Jari: 70 anos de história" (Cristóvão Lins, 2001). Um valioso livro sobre a história de desenvolvimento na Região do Jari. O autor apresenta um estudo detalhado, citando personagens, acontecimentos relevantes, as características do empreendimento ao longo do tempo, as dificuldades e fatores que influenciaram o sucesso, desgaste ou fracasso, entre outras coisas. São 302 páginas distribuídas em 6 partes (as fases históricas): 
Parte 1 - O Jari Primitivo: Apresentação da região, considerando-se a geografia, as características ambientais e suas possibilidades econômicas, as tribos indígenas existentes e como se deu a ocupação desta proeminente região no Baixo Amazonas. Tem até a história de um crime ocorrido em Almeirim envolvendo um padre. Tempos que o autor nomeou como Jari Primitivo, antes do século XX. Ah... Agora entendi porque não existem botos transitando frequentemente pelo rio Jari (morei em Monte Dourado em 1984-1985 e nunca vi um naquele rio ainda muito preservado). Vai ler o livro que eu não vou te contar.

Parte 2 - A Fase José Júlio: Se estendeu de 1900 à 1948 quando o Coronel Zé Júlio investiu na região e vieram muitos trabalhadores em busca de oportunidades. O autor mostra o modo de trabalho arcaico, histórias interessantes, o empreendedorismo do coronel e sua biografia (segundo alguns críticos, com uma visão polêmica, sem caracterizá-lo com a arbitrariedade direta contra os empregados como era conhecido). O coronel introduziu a pecuária e bubalinocultura na região, mas o que teve maior importância em seus negócios foi o extrativismo da castanha.

Parte 3 - A Fase Portugueses: Período que a Jari foi adquirida por um grupo de cinco empresários portugueses (1948 à 1967). Ocorreram alterações importantes no empreendimento: rotatividade de empregados, modernização em alguns sistemas para melhor aproveitamento e beneficiamento dos produtos, introdução da agricultura (cacau, pimenta do reino e seringueira, diferenciando-se da fase anterior que era essencialmente extrativista) e investimentos para produção em larga escala com as várias possibilidades (incluindo comércio de peles de felinos com a ação nociva de gateiros - o autor, por exemplo, cita um que em um mês matou 160 gatos maracajás e 20 onças). Ocorreu também insucesso pela falta de um conhecimento técnico específico em muitas áreas. Que tal educação ambiental? O que não mudou foi o modo de trabalho dos empregados que continuavam sem garantias asseguradas.

Parte 4 - A Fase Ludwig : É o período (1967-1981) que me foi de maior interesse a leitura, pois mostra a industrialização da região por aquele que era um dos homens mais ricos do mundo (talvez o mais). Tem muita informação interessante, uma verdadeira viagem. Segundo o autor, onde hoje encontramos a cidade de Vitória do Jari, ex-Beiradinho, poderia ter se localizado a sede do projeto que foi construída em Monte Dourado (PA). Isso não vingou por conta de entraves com o governo amapaense. O livro fala dos vários investimentos e a causa de fracassos na Jari. Um dos fatores primordiais foi o déficit no fator energia disponível. Havia um projeto de Ludwig de construir uma hidrelétrica (vetado pelo governo brasileiro). Já pensou o que isso representou? Muito coisa poderia ter sido diferente hoje e aquela região poderia despontar como um dos locais mais desenvolvidos no Amapá (por outro lado a Cachoeira de Santo Antonio teria sumido para sempre com aquela mentalidade de desenvolvimento da década de 1970). Tem outras histórias interessantes: já ouviu falar da gmelina? Foi uma das motivações do empresário buscar estas terras (também, segundo o autor, tratadas como a menina dos olhos). Uma promissora terra para o desenvolvimento de uma árvore exótica a ser cultivada (apontada por seus pesquisadores como a ideal aos objetivos empresariais). Ah se soubessem do desenrolar... O projeto agroflorestal foi se desgastando com insucessos, o empresário teve prejuízos e  enfrentou uma resistência por parte de autoridades políticas para que avançasse em etapas fundamentais (como a construção da hidrelétrica). Houve uma propaganda política negativa de equivocados nacionalistas, vetando uma grande perspectiva de maior desenvolvimento na nossa região (o autor comenta que muitos opositores nem sabiam onde era a Jari) . Não deixou também de ser algo irônico pois os americanos, através deste empreendimento, experimentaram uma rejeição parecida ao que estimularam com seu imperialismo na América Latina contra ideologias contrárias a seus interesses, vistas como "ameaça contra a soberania nacional"

Parte 5 - A Fase de  Nacionalização: Período em que o empreendimento foi administrado pelo empresário Augusto Antunes, ocorrendo uma reestruturação na transição do grupo, que enfrentava momentos difíceis.

Parte 6 - A Fase Sérgio Amoroso: A partir de 1999 quando a Jari foi adquirida pelo empresário paulista. Uma das características na fase foi a instalação da Fundação Orsa, que desenvolve programas sociais na região (recebendo investimentos do faturamento do empreendimento para isso).

O livro está esgotado e pode ser pesquisado na Biblioteca SEMA em Macapá. Talvez o autor em novas edições, e tomara que aconteça mesmo, acrescente outros capítulos devido os eventos decisivos que estão se desenrolando na região da Jari.

O que há de marcante é a construção da Hidrelétrica de Santo Antônio e o projeto de modernização da fábrica de celulose em 2013, que passa por difícil momento e requer melhorias. O ponto negativo é o fechamento por cerca de dez meses para as obras internas. Há a perspectiva de uma demissão em massa dos trabalhadores, gerando um impacto acentuado na economia local.

Outro livro para pesquisas sobre a Jari é:

"Amazônia: as raízes do atraso" (Cristóvão Lins, 2012). A publicação é do mesmo autor do livro descrito anteriormente e, entre os estudos da Amazônia, apresenta um capítulo sobre a região da Jari, citando coisas como o Projeto Arroz em São Raimundo, a mineração do caulim (algo também exposto na letra do samba), a pecuária na região e as respectivas fases do Empreendimento Jari. Pode ser adquirido em livrarias e bancas de revistas em Macapá. Veja o lançamento AQUI.


Vamos agora voltar à letra do samba e obter mais informações.

Mapa: SEMA-AP
- Os índios são também citados e a região tem algumas etnias, havendo registro de confrontos e mortes. Especificamente, no Município de Laranjal do Jari encontramos as seguintes áreas: 
. Parte da Terra Indígena dos Waiãpis - Homologada em 1996 com mais de 30 aldeias. Historicamente os waiãpis passaram a se estabelecer nessa região a partir do século XVIII, migrando da região do Xingu (PA) pressionados pelo colonizador europeu (Fonte: "Amapá: experiências fronteiriças" de Sidney Lobato) 
. Parte da Terra Indígena Parque do Tumucumaque, homologada em 1997 tendo as etnias Tiryió, Kaxuyana, Aparaí e Wayãna.

- Os regatões citados eram embarcações comuns cujos proprietários faziam o comércio na região. Além dos produtos amazônidas, transportavam também medicamentos, revistas, tecidos, produtos alimentícios, utensílios domésticos, correspondências e outras coisas de grande importância aos povos da floresta. Ah! E se prestavam também a levar "encomendas". Quando morei em Monte Dourado ainda era vigente isso dos moradores transportarem mercadorias e cartas pelas embarcações na linha Santana-Monte Dourado (falava-se com os responsáveis do barco e eles se prontificavam a entregar a alguém esperando no porto) . Eu recebi cartas assim. Não era como no tempo dos regatões mas deu para viver um pouco do que representaram. No auge dos regatões eles eram a única possibilidade para uma série de coisas. Daí os versos: ...O regatão chegou, trouxe a cultura... Eram verdadeiros armazéns flutuantes. 
Quem mora em Macapá tem uma ótima oportunidade de conhecer o valor destas embarcações visitando o Museu Sacaca. Os regatões ainda circulam, mas é uma prática sem o impacto de representatividade que tinham no passado.

Sugestão de leitura: “Na ilharga da Fortaleza, logo ali na Beira, lá tem o regatão: o significado dos regatões na vida do Amapá - 1945 a 1970" (Paulo Cambraia, 2008, Ed. Açaí). A obra faz um resgate da importância deles no desenvolvimento da região, algo que chegou a ser ignorado nos primeiros anos de criação do Território do Amapá pelo primeiro governador. Planejava-se a abertura de estradas em busca de desenvolvimento e, paralelamente, havia um equivocado descaso ao que tinha grande representatividade na vida amapaense: as hidrovias com seus regatões. O Amapá tem sua história também intimamente relacionada a essas embarcações e é o que o autor se propõem a nos mostrar. 

Regatão do Museu Sacaca e seu interior. No destaque minha mãe Alzira Castelo, que foi ribeirinha na região de Breves (PA), apresenta as particularidades da embarcação para a neta Isabelly Castelo. Uma transmissão de conhecimento entre as gerações muito legal, fica a sugestão às famílias.
- As lendas são citadas na letra e, naquela região, encontramos no folclore todas as que são conhecidas e difundidas na Amazônia. A região também favorece a mitologia com um encantador cenário com seringais, castanhais, rios de águas escuras e regiões com belezas naturais ainda desconhecidas e pouco visitadas. Tudo é ambiente fecundo para isso. 

Banalidades ridículas de Gregor Samsa: O Coronel Zé Júlio de Andrade, principal autoridade na região nos tempos da primeira fase da Jari, era tido como um homem muito supersticioso e assim eram e ainda são muitos hoje. A região tem também acontecimentos que inspiram o imaginário, como o naufrágio do Novo Amapá (Veja AQUI e AQUI) e a expedição de pesquisadores alemães nazistas, sem falar das histórias dos caboclos como os seringueiros (ainda vou contar um dia uma estória de cigarro encontrado ao pé de seringueira e o "caboco baixando", mas isso é uma dessas minhas ridículas viagens para depois). O livro de Cristovão Lins "Jari: 70 anos de história" relata acontecimentos (verídicos) que certamente despertam o imaginário também, como o de morte de castanheiro devido ouriço ter caído em seu paneiro nas costas e partido sua coluna, devido a força e velocidade que atingiu na queda. Eu heim!? Parece mentira, mas é verdade, não parece até lenda? Outra história interessante transcrevo literalmente a seguir, ocorrida na região (não no lado de Laranjal do Jari, mas na região) no tempo de Ludwig:
"Houve também o caso de uma onça que comeu 152 animais, na maioria bezerros, no período de aproximadamente um ano. Esta onça, até o dia em que foi caçada, virou uma espécie de lenda entre os vaqueiros de Saracura, que davam as explicações mais extravagantes sobre sua astúcia. Uma vez o capataz da área disse que havia uma velha na localidade de Bom Jardim, às margens do Rio Jari, acusada pelos moradores de virar onça. Assim, suspeitava ele, poderia ser a velha que virava onça e vinha à noite atacar os animais em Saracura. Realmente a onça era astuta. Sabíamos que ela existia porque achávamos as embiaras (a presa abatida), mas ela nunca voltava para comer uma segunda vez, fato incomum na espécie felina. Certa vez um vaqueiro em campeada caiu com o cavalo em um buraco erodido pela chuva, não conseguindo retirar o animal.No espaço de tempo de 3 horas, quando vieram mais vaqueiros para retirar o cavalo, a onça já o havia matado e retirado do buraco, fugindo para a mata ao sentir a aproximação das pessoas." (Texto do livro citado, páginas 206-207, 3ª edição - 2001). Poxa! E eu que gostei de histórias como a do filme "A Sombra e a Escuridão"... Para mim esta foi uma descoberta muito interessante e ainda tem outra história neste segmento, também no livro de Cristóvão Lins, sobre o ataque de uma sucuri em uma região de várzea a um trabalhador da Jari (na década de 1980).
Mais banalidades extremamente ridículas de Gregor Samsa: Meu avô Apolinário trabalhou na Jari e, por um tempo, esteve em um acampamento muito distante e ermo chamado Pacanari (no início de 1980 - foto ao lado). Passei uns dias lá quando menino e corriam cada história sobre onças. Depois das 18h ninguém podia ir em um igarapé próximo, onde costumava-se tomar banho, pois circulava que elas apareciam e ai de quem estivesse em seu caminho. Um temor que me era acentuado principalmente porque depois de determinada hora noturna a eletricidade ia embora e ficávamos à luz de vela em alojamentos sem muita segurança, com portas ainda não fixadas. Diziam que andavam no acampamento também... 


São ou não são histórias com conotação lendária? Iguais a estas houveram outras. Sou fascinado por elas. 
É por sua natureza, encantos e histórias que o Vale do Jari é também um celeiro na mitologia.

Desenho de meu amigo R. Castelo (1989). É uma tentativa de reproduzir uma possível cena na natureza que, com uma boa dose de imaginação, semelhante a outras, pode transformar-se em histórias contadas, lendas, lorotas, causos e afins.
- O samba fala de belezas naturais, reservas, parques, rios, etc. É que a região, falando especificamente do Município de Laranjal do Jari, é conhecida por belos cenários naturais (como a Cachoeira de Santo Antonio e o Rio Iratapuru) e tem grande extensão de seu território como áreas protegidas, que são:  
Parte da Terra Indígena Parque do Tumucumaque  
Parte do PARNA Montanhas do Tumucumaque  
Parte da Terra Indígena Waiãpi  
Parte da RDS do Rio Iratapuru  
Parte da Estação Ecológica do Rio Jari  
Parte da Reserva Extrativista do Rio cajari  
Além de assentamentos agroextrativistas 
Uma sugestão para conhecer essas áreas é ver o livro "Áreas Protegidas do Amapá", publicado pela SEMA-AP (2012).

Imagens do Vale do Jari - Retiradas do EIA/RIMA UH St. Antonio - 2009
- Mas nem tudo é encanto como diz a letra, atualmente um desses belos cenários naturais, justamente o mais bonito: a Cachoeira de Santo Antonio, vive seus dias de pesadelo ambiental por conta da construção de uma hidrelétrica que interrompeu a queda d'água. Os impactos foram muitos e nada será mais como antes. Sei que muitas coisas são necessárias para beneficiar nossa sociedade, e venham sempre, mas serão sempre a custo de um alto preço para nosso meio ambiente? Essas são palavras de um entusiasta pelas questões ambientais, mas é preciso saber também que:

O EIA/RIMA (2009) desse empreendimento
está disponível para consultas na 
Biblioteca SEMA-AP
O empreendimento, se as coisas ocorrerem como propostas, trará um benefício muito grande para aquela região e, por tabela, ao nosso Amapá. Além de gerar emprego, também suprirá a carência de distribuição de eletricidade - em dezembro de 2010, por exemplo, teve uma manifestação ferrenha na cidade de Laranjal do Jari por conta de apagões que, para alguns mais afoitos, foram um equivocado estímulo para invadir e depredar vários prédios públicos na cidade, como a biblioteca ambiental recém-implantada (algo já superado, veja AQUI). A hidroelétrica também (não sou nenhum especialista, mas acompanho o noticiário) está sendo construída de uma forma que a barragem e lago de inundação não atinjam diretamente a cachoeira, o que possibilitará, teoricamente, sua preservação e visualização. Os impactos serão inevitáveis sim, principalmente na área acima da cachoeira: formação de reservatório, desmatamento para o empreendimento e as vias de acesso, realocação de moradores da área atingida, pressão na fauna e flora com a alteração do ecossistema e da qualidade da água com o processo de erosão, perda de cenário natural, pressão nas cidades e sua infra-estrutura com o crescimento populacional acelerado previsto, impacto na pesca, etc. São pontos negativos e o preço pelo benefício.  
Projeção da área abrangida pela hidrelétrica.
Imagens retiradas da apresentação do EIA/RIMA em audiência pública.
Esse material está disponível para pesquisas.
Impactos da construção da hidrelétrica sobre a cachoeira.
O que a sociedade deve fazer, entre outras coisas, é estar atenta através de seus orgãos reguladores para que os critérios estabelecidos, como as medidas mitigadoras dos impactos, estejam se cumprindo (entenda-se também ação responsável dos governantes... neste mundo de jogadas, conivência e interesses escusos...). A Amazônia é rica em recursos e o amazônida deve desfrutar disso, mas de maneira sustentável. Um alento ambiental é que a área a ser inundada não tem as mesmas proporções das hidrelétricas tradicionais (reduzindo os impactos) e, se as coisas forem como anunciadas, as águas na cachoeira, não sei com que vazão, retornarão. Não será como antes, mas também não desaparecerá como a do Paredão (mais uma vez repito, é o que anunciaram). O empreendimento representa também um ganho que é fundamental para o desenvolvimento na região sul do Amapá, pois a Hidrelétrica Coaracy Nunes não supre a carência enegética no estado, precisando de termoelétricas para isso (sempre com um custo elevado).
Para que "o progresso venha a florir", como diz a letra do samba, questões como estas devem ser consideradas. 

Volte cachoeira do vale, mostra tua magia.
 Venha 2013 e sua esperança... tão florida nos dicursos em nossa sociedade. 
 
Para finalizar, iniciando-se esta postagem com o samba de enredo, vamos também fechar falando do carnaval amapaense, citando a publicação "A história do Samba no Amapá", organizada por Carlos Pirú em 2004. É um folheto de 36 páginas ideal para quem pesquisa esse tema, apresentando de forma resumida a história do carnaval no Amapá, as Escolas de Samba, os quesitos de julgamento e o potencial turístico do evento. A publicação está disponível em algumas bibliotecas de Macapá, entre elas a Biblioteca Ambiental da SEMA.

As informações aqui apresentadas estão fundamentadas nas publicações/reportagens citadas ou impressões do autor (sujeitas a erros), objetivando a divulgação de nossa literatura e a valorização das bibliotecas. Estende-se aqui um convite a se compartilhar  as produções científicas com estes centros e assim contribuir para o maior conhecimento sobre o Amapá. Hoje, com poucas referências disponíveis para consultas em suas bibliotecas.

Veja também: