As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Mazagão: A cidade que cruzou o Atlântico

A revista Aventuras na História (edição 122 - setembro de 2013) traz uma reportagem interessante e importante sobre a história de Mazagão e a odisséia das quase 2 mil pessoas para estas terras amazônidas.  Uma boa referência para pesquisas, em um texto assinado por Marcelo Testoni.


O pesquisador abordou essa história através dos seguintes pontos: 
- A Fundação: Um pouco da história da Mazagão africana no Marrocos, a maior obra pública construída por portugueses fora da Europa até 1769.
- O Êxodo:  A saída do Marrocos coincidiu com um período em que a política portuguesa buscava intensificar o povoamento das fronteiras de sua colônia americana, havendo a necessidade de transferir mais gente para dominar o norte do Brasil.
- O Recomeço:  O governo português aplicou um calote nos novos colonos, que vieram seduzidos e acreditando na reconstrução de sua antiga cidade-forte. Logo a  força da natureza se fez sentir  e as autoridades portuguesas foram atrasando e cortando aos poucos as pensões e benefícios por acreditar que a reconstrução da cidade levaria os cofres públicos à falência.
- A Degradação: Disputas entre líderes dos colonos e o governador eram constantes, com crescente protestos e reivindicações contra os descasos por parte da Coroa Portuguesa.
- O Legado na Floresta: Algumas considerações sobre a Festa de São Tiago. 

Veja também:
A Festa de São Tiago (Mazagão Velho - 2011)

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Reabertura da Biblioteca Ambiental da SEMA na APA da Fazendinha

Igarapé da Fortaleza, um dos mais importantes no Amapá!
Divisor entre os municípios de Macapá e Santana...
Encontrei esta foto no acervo da Biblioteca SEMA. O autor, infelizmente, não está identificado.
  
...Importante para o escoamento de mercadorias diversas...
...para a produção ribeirinha...


...e para o transporte fluvial.
Foto de Kely Cristina A. Figueiredo, encontrada no acervo da Biblioteca SEMA.
Esse local tem muita coisa para ser conhecida e descoberta!
 Pode crer! Conheces algo sobre isso?
Tá vendo, por exemplo, essa ilha defronte da foz... É a Ilha de Santana! Pois é mano, Santana teve início a partir de agrupamento populacional nessa ilha (1753) e importantes fatos históricos continuam se desenrolando aí, como a construção de um porto para escoamento de grãos de soja vindos da região Centro-Oeste. Já andei de curioso nessa ilha, se quiser, veja minhas impressões a partir DESTE LINK.
 ... E no lado de cá, nas próximidades do Igarapé da Fortaleza, mais história para conhecer! O IPHAN recentemente encontrou os resquícios de um antigo forte, que é chamado pela população de Cumaú, mas representa o remanescente do Forte de Santo Antônio de Macapá (1688). As fotos acima foram retiradas do jornal Tribuna Amapaense e mostram: o desenho do forte, a localização e as recentes escavações. Veja o artigo com essas imagens em tribunaamapaense.blogspot.com.br

Maquete representando o forte que se localizava na foz do Igarapé da Fortaleza (imagens cedidas pelo arqueólogo Manuel Calado). Igarapé...forte...fortaleza...associou aí?
Mas o que gosto de estudar e conhecer mesmo é a natureza no local! Rica e atrativa para observações e descobertas... afinal, o Igarapé da Fortaleza apresenta em sua parte inicial uma unidade de conservação estadual, a APA da Fazendinha,  criada em 2004 pela Lei 0873 (AP), depois de ter sido um Parque Florestal (criado em 1974) e Reserva Biológica (criada em 1984).
Ponte sobre o Igarapé da Fortaleza (elo Macapá-Santana)
 
 Imagens antes da ponte...
 Imagens depois da ponte, em direção a foz: 
o Rio Amazonas.

 
 4 Fotos: Paulo Uchoa 
Meu interesse pelas descobertas já me levou a percorrer esse igarapé de canoa em toda a sua extensão. 
Açaizal no Igarapé da Fortaleza
Há uma diversidade de coisas no seu trajeto, com cerca de 12 km,  passando pelos perímetros de Macapá e Santana.
Foto: Paulo Uchoa
A importância ecológica é acentuada, formando uma rede hidrográfica interligada com várias ressacas (Lagoa dos Índios, Congós, Chico Dias, Beirol, Tacacá, Provedor, Paraíso, Vagalume e Fonte Nova) e outros igarapés afluentes (Cajueiro, Baisca Grande, Biscuga, Zacarinho, Seringueira, Zacaria, Funil, Tabatinga, Arco, Limão, Davi, Mucajá, Provedor, Abacate, Tracuá, Castaninho, Braço Grande, Urubu, Igarapé da Volta, Almeirim, Juçara, Sororoca, Taboca, Bati Bota, Cacau, Gafanhoto, Pau-mulato e Aracu). Quanta coisa meu Deus!!!! Mas nem tudo são flores...
Essa é a parte do igarapé nas proximidades do Bairro Zerão, em Macapá, que é popularmente conhecida como "Gruta". Daí até a foz (registro nas primeiras imagens deste post... também mais de 10 km antes dessa foto) nos deparamos com uma natureza bonita, mas extremamente vulnerável à ação humana depredatória. Naveguei por todos esses cantos em canoa, encontrei o bonito e o feio.  
O belo nas muitas espécies que vi, seja vegetal ou animal (já vi boto, sucuri, guariba, cuiú-cuiú, mucura, carão, matupiri, uéua, ariramba, camaleão e até, em uma imprudência minha de entrar em um aningal caminhando displicentemente, um poraqué com quase dois metros do qual escapei mas atingiu alguém que vinha em minhas pegadas alguns segundos depois). Refazendo alguns desses trajetos já não encontro tanta coisa como foi comum há tempos atrás e sim a presença humana cada vez mais frequente, com seu invariável descuido e depredação do ambiente... esse é o feio.
Caraca!!! Dá para acreditar que tem maluco que leva isopor para o banho só para ficar espalhando na água; que tem sujeitos que já mataram boto por aí; que tem gente "que só ver um bicho" vai atrás para matar e comer tal qual um ogro que devora tudo; que já vi moradores em terrenos derrubarem uma mata ciliar em frente às suas casas só para que tenham mais ventilação e também pelo receio de que ali se escondesse algum mal elemento; que tem gente que acha que os aningais não servem para nada e passam o terçado até o talo; caçadores com idades variadas carregando baladeiras; que há pesca com malhadeiras estendidas em grandes extensões no rio...

Em fatos pequenos vemos um exemplo da ação de algumas pessoas no Igarapé da Fortaleza. Eis aí...
Era uma vez uma árvore... derrubada pela insensibilidade e irresponsabilidade humana.
Encontrei esta foto no acervo da Biblioteca SEMA. O autor, infelizmente, não está identificado.


Essa derrubada de mata ciliar flagrei no início de 2011, quedaram muita coisa valorosa por motivo banal... quem fez isso já nem mora na localidade... mas deixou uma clareira aberta com a morte de várias árvores... por conta da ignorância.
Esse é o mesmo trecho desmatado nas fotos anteriores (dois anos depois), em registro que fiz há duas semanas. A natureza só não recupera rapidamente as árvores de grande porte  que foram derrubadas, sem necessidade... se a mata ciliar for retirada, o igarapé pode ser prejudicado no trecho... brecha para muitos outros fatores secundários.

Tem quem vá aí levando muita coisa e não trazendo nada, ficando para trás muito lixo ao léu; pessoa que já derrubou árvore porque se aborreceu com o churrasco dos visitantes rotineiros no igarapé e que por ali se assentavam... ah! isso é só um pouco... existe a extração em olarias, queimadas em terrenos, crescimento populacional no igarapé e cada vez mais poluição e menos paisagem como de alguns anos... sem falar em uma juventude fortemente mentalizada em todas essas ações descritas... e muitas mais. Isso pode e deve mudar... ou ser minimizado... sendo a educação ambiental um elemento essencial.
Apresentando também essa missão e disponibilidade... com um pouco de idealismo de minha parte... estou sendo pragmático... foi implantada na APA da Fazendinha a base da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA).

Encontrei esta foto no acervo da Biblioteca SEMA. 
O autor, infelizmente, não está identificado (Paulo Uchoa?).
A SEMA tem essa área em sua jurisdição desde 1991, quando foi criada como Coordenadoria Estadual de Meio Ambiente (CEMA), e objetiva a conservação natural associada a manutenção das atividades produtivas no local, coibindo a depredação e degração dos recursos naturais. 
Mapa: SEMA-AP/2012

A APA da Fazendinha é limitada:
  • a leste - pelo Igarapé Paxicu; 
  • a oeste - pelo Igarapé da Fortaleza; 
  • ao norte - pela rodovia JK (Macapá-Santana) 
  • ao sul - pelo Rio Amazonas. 
 
 
 Trecho urbanizado na APA da Fazendinha às margens do Igarapé da Fortaleza.
 Trecho urbanizado na APA da Fazendinha, no interior da unidade de conservação.
Moradia às margens do Igarapé Paxicu, no interior da APA, e sinais de assoreamento.
(Foto extraída do Relatótio REBIO Fazendinha, produzido pela SEMA em 1995)

Urbanização no Igarapé da Fortaleza.
Encontrei esta foto no acervo da Biblioteca SEMA. 
O autor, infelizmente, não está identificado (Paulo Uchoa?).
Eita parente! Como tem histórias e importância esse local!!!!
Olha lá a base da SEMA na APA! Vou ver de perto...
Tem uma sala para estudos...
(vamos chegando meu povo!!!!)
...para incentivar a pesquisa científica e fomentar a Educação Ambiental.
(não repare um entusiasmo exacerbado... sou eu com meus sonhos)
Bem-vindos à Biblioteca Ambiental da SEMA na APA da Fazendinha!! 


Biblioteca recém-inaugurada em 2009.
A biblioteca teve seu início em dezembro de 2009, implantada na gestão do então secretário da SEMA Paulo Figueira. A sala recebeu mais de mil obras entre livros e folhetos, com ênfase aos temas ambientais (ecologia, meio ambiente, educação ambiental, queimadas, unidades de conservação e legislação ambiental). Recursos audiovisuais também foram disponibilizados com uma videoteca, além de 5 computadores para as pesquisas on-line.


Conheça um pouco mais da implantação da biblioteca NESTE LINK.


O solo é típico de várzea, estendendo-se de forma argilosa pelas bordas do igarapé, com seu ecossistema típico e adaptado à ação fluvial.  
Trecho do igarapé na frente da base SEMA.
Em 2012 houve a necessidade de reformas no prédio da SEMA e o acervo da biblioteca foi recolhido e guardado provisoriamente.
“Convento sem biblioteca é como fortaleza sem arsenal.”
 (Júlio Comba)
16/08/2013 - Técnicos da Biblioteca Ambiental da SEMA em Macapá (idealizadora desse projeto) reorganizando a biblioteca.

 
 
 
19/08/2013 - Reorganizando o acervo nas estantes.
 
 
 
 
 
Equipe da Biblioteca SEMA: Denilson, ?, Manoel, Rosa Dalva (Gerente da Biblioteca SEMA), Marcilene (Bibliotecária) e Nelsiana.

20/08/2013 - Mais trabalho na organização, que não se resume a uma simples arrumação de livros.
 
 
Equipe da Biblioteca SEMA: Manoel, , Marcilene, Denilson e Nelsiana.
A Biblioteca Ambiental da APA da Fazendinha estará novamente ativa, em breve...
... para as pesquisas estudantis...
(Foto do acervo da Biblioteca SEMA)
...e para a valorização e preservação ambiental.
 Um importante centro para a comunidade 
no Igarapé da Fortaleza!

"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." 
Cora Coralina 
Graças a Deus por tudo!