As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

"Beiradão - Histórias e Encantos" - Jerfferson Costa

Laranjal do Jari é um dos municípios de maior crescimento no Amapá, tendo uma trajetória importante que remonta a séculos. História marcada pela ocupação inicial por indígenas waijãpi e apalai, com projeção no extrativismo de produtos florestais e fases distintas em seu desenvolvimento na região do Jari - como a do bilionário Ludwig, idealizador da instalação da fábrica de celulose e das silvivilas (Monte Dourado, Munguba, São Miguel e Planalto, no Pará) que atraíram a atenção nacional e estimularam a formação da comunidade do Beiradão no Amapá (atual Laranjal do Jari). Muita coisa para se descobrir e, para a população estudantil e interessados no assunto, estou sugerindo o livro Beiradão - Histórias e Encantos, de Jerfferson Costa Pinto. A obra foi publicada em 2014 e permite uma visualização sucinta de pontos históricos, ambientais, culturais e políticos. 

Na parte histórica, o autor resgata as fases do coronel José Júlio de Andrade, do grupo de portugueses e do empresário estadunidense Daniel Keith Ludwig. Três ciclos importantes e distintos para a formação do município de Laranjal do Jari.
Há destaque para a Revolta de Cesário (esclarecedora em sua representatividade para qualquer que nunca tenha ouvido falar) e também para a excursão dos alemães na década de trinta (que permitiu a coleta de várias informações na região do Jari, estimulou teorias conspiratórias, além de revelar a proximidade e ilusão que os governantes brasileiros tinham com os nazistas).
Sobre os pioneiros, se destacaram em minhas percepções os senhores Benedito Augusto da Gama e Nelson das Graças Fogaça. O primeiro pela história sobre a fundação do Beiradão (até então conhecia o pioneiro Salú como primeiro morador - VEJA AQUI - mas o autor apresenta o senhor Gama como o real fundador e responsável também pela escolha do nome do atual município). O outro mencionado é um dos primeiros comunicadores na região e gostei do relato por resgatar aspectos que o autor estava deixando ausentes (prostituição, violência e precariedade na infraestrutura, que atribuíram ao Beiradão o título de maior favela fluvial do mundo na mídia nacional). Aspectos tristes, que o povo de Laranjal nem gosta de lembrar, mas que estão na história da localidade e servem de parâmetros para avaliação atual.
Há outros relatos interessantes para a visualização do cotidiano da antiga comunidade. Os textos foram nostálgicos porque morei em Monte Dourado nos anos oitenta e identifiquei muita coisa relatada. Lembrei da "Burra Preta", das catraias, passarelas, comércio intenso, de festas que traziam músicos conhecidos e de outras descrições.
Não sabia que a Assembleia de Deus tinha sido a primeira igreja evangélica na localidade. E se instalando no local de pior fama, o bairro das Malvinas (e fez-se luz...).
Ainda nos pontos históricos, penso que teria sido interessante a abordagem sobre a BR-156 (que tirou a região do isolamento dando nova opção em relação ao transito fluvial intenso, marcado por um dos maiores desastres fluviais na Amazônia) e sobre a hidrelétrica de Santo Antonio (que é estimada como um fator essencial para o desenvolvimento da região e cuja ausência foi determinante no fracasso do Projeto Jari na fase Ludwig).

Laranjal do Jari

Na parte cultural a abordagem é a mais resumida do livro, mostrando as lendas do Jacaré da enchente e da Cobra Honorato e Sucuri. A região é dominada por uma natureza muito rica e representativa quanto aos castanhais. Gostaria de ter visto algo relacionado a isso.

No aspecto ambiental é ressaltado que a região tem grande parte de suas terras sob proteção, ostentando o título de município mais preservado do país. As principais unidades de conservação são apresentadas sucintamente (PARNA Tumucumaque, ESEC do Jari, RDS do Rio Iratapuru e RESEX do Rio Cajari). A região tem muito potencial ambiental.

O autor, Jerfferson Costa Pinto, é bisneto, neto e filho de castanheiro. Nascido em Monte Dourado, distrito do Município de Almeirim, Estado do Pará, localizado em frente ao que é hoje conhecido como Município de Laranjal do Jari, cresceu no bairro das Malvinas em meio as palafitas às margens do Rio Jari. Teve infância difícil como de muitos moradores do antigo Beiradão, o que despertou seu interesse de pesquisar e escrever sobre a história do lugar, as lutas e vitórias desse povo. Jerfferson Costa reúne nesta obra um apanhado de relatos de moradores tradicionais, acreditando não somente realizar um sonho, mas o registro de uma parte da história de seu povo, sua terra e seus encantos.
Obra interessante para pesquisas e descoberta da região em seus aspectos mais marcantes. Em Macapá, está disponível para consultas na Biblioteca Ambiental da SEMA.

Informações do livro:
Título: Beiradão - Histórias e Encantos
Autor: Jerfferson Costa Pinto
Editora: Tarso
Ano: 2014
Páginas: 88
ISBN:978-85-914296-5-3
Tema: História de Laranjal do Jari (Amapá)

Sumário:
01) Introdução
02) Apresentação
03) Meio Ambiente
04) Economia
05) Turismo
06) Cultura
07) Mitos e Lendas
08) O interesse internacional pelas terras do Jari
09) O alemão e a Amazônia
10) Rei da castanha
11) A Revolta do Cesário
12) O Jari e os portugueses
13) O Jari e os americanos
14) O Jari e seu personagens
15) Política
16) Considerações finais

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Xapuri do Amazonas (Nazaré Pereira)


Nazaré Pereira é uma cantora natural de Xapuri, Acre, que canta os sons das regiões Norte e Nordeste. Uma de suas obras mais representativas é o LP “Amazônia”, gravado na França e lançado no Brasil em 1980. O disco tem capa premiada pela beleza e traz o sucesso “Xapuri do Amazonas”, de sua autoria, além de composições famosas de Luiz Gonzaga e Zé Dantas. A música cita o rio Jari, também, porque na época cogitava-se a construção de uma usina nuclear na região. A canção mostra a vida simples do povo da Amazônia, exprimindo nostalgia e valorização da terra. 
Fonte: letras.com.br e forroemvinil.com


Dona Maria minha mãe morena,
cabocla linda lá do rio jarí
Fosse descendo pelo amazonas,
o sol brilhou pra mim no Xapuri

Lá no Xapurí, lá no Xapurí, lá no Xapurí, lá no Xapurí
Dona Maria, mãezinha morena
ainda sou tão pequena e sinto saudades.

Do balançar de rede, dos igarapés,
destas coisas lindas que não tem idade.
Dona Maria, mãezinha morena
ainda sou tão pequena e sinto saudades.

De me banhar nos rios, tomar tacacá,
beber açaí lá em Icoaracy.
Lá em Icoaracy, lá em Icoaracy,
lá em Icoaracy, lá em Icoaracy.

Terra cabocla, terra pequena, cheirando a flor,
cheirando açucena.
Igual teu cabelo, dona Maria,
minha mãe morena, ooi.

Lá do rio Jarí, lá do Xapurí,
lá de Icoaracy, lá do Xapurí.
Lá do rio Jarí, lá do Xapurí,
lá de Icoaracy, lá do Xapurí.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Revista ICOMI Notícias (Nº 25 - 1966)

Revista ICOMI Notícias Nº 25, circulou em janeiro de 1966.


Reportagem em destaque:

"Uma beleza rebelde no céu do Amapá": sobre o cientista Augusto Ruschi (conhecido no mundo inteiro pelas contribuições no campo da zoologia, especialmente na ornitologia) e suas pesquisas sobre o raro beija-flor brilho-de-fogo (Topaza pella). Segundo o texto, os registros oficiais referentes ao avistamento da espécie eram de 1959, em lugares de difícil acesso na Venezuela. O cientista passou 25 dias em Serra do Navio, conseguindo coletar quatro casais e outros de espécies diferenciadas. Realizou conferência ambiental com estudantes e organizou uma exposição em Vila Amazonas. Pontos importantes para a ornitologia no país.

Augusto Ruschi em encontro com estudantes.
A Sra. Oswaldo Pessoa descerrando a fita de inauguração de uma exposição de beija-flores em Vila Amazonas. Augusto Ruschi organizou essa mostra como núcleo de repovoamento para a região.
O raro e belo brilho-de-fogo (Topaza pella). Até as pesquisas de Ruschi, em Serra do Navio, o último avistamento oficial era de 1959, na Venezuela.

Em breve, mais edições!