As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

quarta-feira, 30 de março de 2016

As Proezas de Baduri (Geraldo Oliveira de Souza)

Cordel com o embate entre um caboclo e um valentão - enfrentamento comum a essa literatura - com o Baduri, o caboclo sabido, dando uma lição no Cascavel, o valentão metido a estraga festa. 

O autor é o mineiro Geraldo Oliveira de Souza (mais informações) e as ilustrações são de Jamesson Marcio.

A obra tem um apelo infantojuvenil, de humor ingênuo e ilustrações caricatas e engraçadas com ambientação em Macapá, onde foi lançada em 2003.
 
É para a garotada



Título: As proezas de Baduri
Autor: Geraldo Oliveira de Souza
Ilustrador: Jamesson Marcio
Editora: Gráfica Única
Ano: 2003
Páginas: 45
Tema: Cordel / Amapá / Infantojuvenil 

 Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central

quarta-feira, 23 de março de 2016

Imagens antigas do Amapá

Planta da Vila de São José de Macapá (por Gaspar João de Gronfelde - 1761)
Carta da "Bahia" de Macapá (por ordem de D. Francisco de Souza Coutinho - Governador do Pará, 1800)
 Carta Hidrográfica e Descritiva da parte compreendida 
entre os rios Araguari e Calçoene (por Jozé da Costa Azevedo, 1860)
O mapa tem curiosas notas geográficas e históricas.
Litografia com vista da Fortaleza e da cidade de Macapá
 (Carvalho - Biblioteca Nacional, Data não identificada)
 Detalhe da Fortaleza
Imagem na região do Oiapoque (por Georges Brousseau, 1898)

segunda-feira, 21 de março de 2016

O lugar errado (Ray Cunha)

Froteur, frottage... Palavras bonitas, mas que na prática revelam-se pura sacanagem. Canalha e doentia na obra pelo contexto em que estão inseridas. O livro aborda esse tema (sexo frottage) e traça um perfil do protagonista, sugestionando uma compreensão de seus dramas aos olhos do leitor. Cada um com suas preferências, é lícito ao livre arbítrio e satisfações, mas em um plano de abuso do outro, como a obra mostrou, não é legal. Por isso não tive empatia com o livro. Qual é? O que posso dizer ou pensar de uma personagem que manifesta desejos e ações pedófilas, em atitude pérfida, devassa e altamente erotizada. O cara entra no ônibus e se põem a encoxar crianças e adolescentes, com uma dissertação doentia (refiro-me à mentalidade da personagem) de suas propostas, intenções e justificativas, em uma conversa fiada sobre Vladimir Nabokov.
Em linhas gerais, o livro mostra um professor em Belém, Agostinho, que tem uma desestruturação psicológica, desde suas origens familiares, e vê nessa tara um escape a seus tormentos. Reconhecendo a prática errada, sentindo-se deprimido e atormentado com ela, mas de ato contínuo em um vício conflitante.
O lugar errado mostra o protagonista nessa luta interior - entre razão, loucura e prazer - onde se perde e se encontra em sua insanidade, amando e odiando-a. Um drama sobre vícios.



Título: O lugar errado 
Autor: Ray Cunha 
Editora: CEJUP 
Ano: 1996
Páginas: 221 
ISBN: 85-338-0339-7 
Tema: Pará / Romance / Drama

Descobri essa história em outro livro do autor, Na boca do jacaré-açú (publicado em 2013) que a resume sem evidenciar o drama específico da personagem, como ocorre nessa obra. Tem dois momentos. Em Belém vemos o desajuste para o tal froteur pedófilo, e, na Ilha de Marajó, percebemos o direcionamento dos anseios para a caça, romances e tentativa de ser justiceiro (contra um padre pedófilo e um traficante de crianças - não há uma ironia aí?).
A obra tem uma proposta de reflexão, de entrar em conflitos secretos, sobre devassidão da alma... Doentio.


Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central

quinta-feira, 17 de março de 2016

Marajó (Dalcídio Jurandir)

Olha, meus amigos! Um romance renomado na Literatura do Norte! Alguns autores o tem na conta dos mais significativos e importantes. Acompanhe aí... 

"Considerado um dos maiores romances da Literatura Nortista, Marajó mostra o drama do caboclo marajoara explorado e marginalizado, envolto em superstições e crendices, em uma Amazônia grandiosa com sua violência telúrica." (Fausto Cunha)

"Marajó é um belo romance, pois ninguém melhor do que Dalcídio Jurandir nos comunica a sensação de deserto, do lobo, do calor deliqüescente daquela imensa solidão de nuvens baixas e verdes malhadas que é Marajó. O estilo empolga, com as suas asperezas, seus regionalismos, suas soluções poéticas de um primitivismo expressivo, sua ausência de malícia.” (Sérgio Milliet) 

"Marajó é um volume feito com a verdade cotidiana, com a paisagem exata, com as fisionomias possíveis da existência. E o seu melhor elogio para um etnógrafo.” (Luís da Câmara Cascudo)

Título: Marajó
Autor: Dalcídio Jurandir
Editora: Cátedra
Ano: 1978 (a primeira edição é de 1947)
Páginas: 360
Tema: Romance / Amazônia

Ah! Por essas e outras também quis conhecer 
e, em um parecer simplista, fiquei com as seguintes impressões:

"Marajó" mostra a grandiosidade do lugar em suas peculiaridades. A natureza tem uma beleza descrita de maneira poética, onde os dramas do homem são histórias comuns e reconhecíveis Amazônia adentro. Muito disso se deve à identidade do autor, marajoara, que tem visão jornalística associada a lembranças em suas inspirações.
A descrição é o ponto forte do livro em minha visão, destacando o cotidiano em suas características naturais e influenciáveis, seja de forma positiva ou dramática. A Amazônia marajoara é apresentada de maneira tão grandiosa que se constitui no principal elemento na obra, mais importante que qualquer personagem identificável. Diga-se de passagem que o romance é diferenciado no sentido de não ter protagonistas destacados ou focados o tempo todo pelo autor ao longo da narrativa. Tive uma certa dificuldade de identifica-los e notar suas inter-relações no início. Vou fazer uma comparação que pode soar como bobagem (meio ridícula, mas importante em minha percepção). Se você já navegou pelo Google Earth sobre uma região, em um plano geral aberto, não vai ver muito além da grandeza do lugar. Mas ao se aproximar estrategicamente, vão se revelar um mundão de comunidades, que tem suas histórias próprias. Assim foi o romance para mim, com o homem engolido por aquela região e com coisas importantes para revelar quando o autor o traz mais intimamente ao leitor. Histórias na grande Marajó, como ecos da floresta em realidades a se descobrir...
Ressalto que a obra foi publicada em 1947 e faz parte de um ciclo no Norte como uma das primeiras a expor o cenário amazônico fidedignamente, com a credibilidade e empatia de um genuíno filho dessa terra.
Encerrando essa parte de descrição, diz aí se não tenho razão ao encontrar textos como: 
"O rio, uma cobra de prata, se desenrolava na sombra e ia urrar na baía. A curicaca deslizava no vigor da cobra de prata, a maré enchendo trazia o bafo áspero de mato podre e de bichos. O estirão foi se distanciando, com ele o medo daquelas trovoadas que arremessavam árvores contra os homens..." (trecho dos primeiros parágrafos no capítulo 41)
Já no aspecto referente aos dramas humanos, as personagens são dispersas na narrativa, sendo apresentadas em um momento e deixadas de lado em outros. Mas todas representativas da realidade naquele contexto. Não há destaques comparativamente ao andamento comum dos romances, mas dá para notar singularidades e significância social em muitas, como: 
Coronel Coutinho (um típico fazendeiro mandachuva na região, que trata tudo, terra e povo, como sua possessão); 
Missunga (o filho do coronel, um jovem idealista em algumas concepções, porém, dominado pela indolência e desejos carnais); 
Alaíde, Orminda e Guíta (apaixonantes e sofridas caboclas cobiçadas e marcadas por dramas pessoais, pelo que despertam e pelas injustiças sofridas); 
Nhá Leonardina e Mestre Jesuíno (típicos representantes da cultura apegada a tradições da terra, sendo respeitados ou odiados pela pajelança);
Ramiro (vaqueiro e poeta que versa sobre as injustiças). 
Esses são alguns, engolidos por Marajó.
A história em si foi se revelando confusa na minha experimentação, sem aquele andar de empatia costumeiro dos romances. Fundamentalmente se vê um cotidiano sem devaneios, árduo em sua realidade. 
Em um primeiro momento não gostei da obra, que, por sua peculiaridade e veracidade, é celebrada por muitos como o mais importante romance do Norte (por todas as coisas somadas em seu contexto e pioneirismo). 
Muita coisa fica em evidência, como: a riqueza e poder diante da exploração; o apego a tradições, e a realidade nua e crua de uma terra desconhecida e, até então, vista de forma idílica. 
O autor não apenas traz a realidade cotidiana, como menciona fatos da história que valorizam isso, como a referência ao coronel José Julio. O mesmo foi contemporâneo da época do romance, com fama de maior latifundiário do mundo no norte do Pará (arquétipo de coronéis Coutinho).
No final da edição que li (Editora Cátedra, 1978) tem um texto em anexo intitulado "Chão de Dalcídio" (de Vicente Sales), que resenha sobre a obra e importância literária do autor. Recomendo, principalmente, a Parte 3 desse texto, que encerra tudo o que realmente gostaria de saber escrever na percepção do livro.
Li e entendi nesses termos. Quem quiser que conte outra...

 Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central

terça-feira, 15 de março de 2016

Caminhos de Rios... (Luíz Fernando Liveira)

Um livro bonito, com mais de cem poesias expressando entusiasmo, descobertas e exaltação no cenário amazônico. Os textos tem uma simplicidade tocante, de identificação com a poesia popular, sendo realçados individualmente por ilustrações, que variam entre fotos à desenhos surreais. O paraense Luíz Fernando Liveira apresenta-se como um andarilho e observador minucioso, retratando cada um dos estados nortistas em percepções que mostram o ambiente urbano, natural e cultural. Um passeio poético, como se evoca no título, onde cada curva desse rio desdobra-se em peculiaridades atrativas ao leitor. Vemos a natureza, mitos, o homem, o entusiasmo ao amor e à fé em Deus. A obra tem um apelo didático, por isso o autor instiga o saber com palavras não tão usuais (organizadas em vocabulários), e notas diversas sobre os temas abordados.
Gostei da obra, lançada no Amapá em 2012. Destas que poderiam ser exploradas nas escolas amazônicas, principalmente entre jovens leitores.

Título: Caminhos de Rios...
Autor: Luiz Fernando Liveira
Editora: Gráfica Amapaense
Ano: 2011 
Páginas: 395 
Tema: Poesia / Amazônia
A obra é prefaciada por três pessoas. Eis algumas linhas:
"Com uma linguagem peculiar ao povo aqui nascido, muitas vezes figurada e reforçada com belas gravuras, o autor consegue enfocar o cotidiano único dessa gente, vivido nas mais diversas localidades banhadas por rios e igarapés da gigantesca Hiléia. O autor se sai muito bem ao abordar em seus textos nuances do sentimento, crendices e costumes do homem amazônico."
FERNANDO CEZAR (Oficial da Marinha, Pedagogo e Teólogo)

"Os poemas do marinheiro-poeta têm versos de um poeta-marinheiro experimentado que cumpre sua missão de educar pela poesia. Liveira dá aos seus leitores o bônus de se deleitarem com as viagens feitas por ele, nesse trabalho que considero pedagógico e eivado de amor pelo povo da Amazônia e seus encantos."
FERNANDO CANTO (Escritor, Músico e Sociólogo)

"O escritor e poeta Luíz Fernando Liveira nos dá, de forma real, contundente e mágica, o sentido definitivo de que nossas estórias caboclas se misturam, nos oferecendo o encanto de sermos parte da Mãe-Amazônia, orgulhosamente."
NILSON CHAVES (Músico)
 
 Menina do Matapi 
(Páginas: 164 e 165 / Ilustração: Jair Penafort)
Mas também não, quem não se apaixonaria...

Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central

segunda-feira, 14 de março de 2016

Na boca do jacaré-açu (Ray Cunha)

Catorze contos amazônicos ambientados no Pará, publicados em 2013 pelo amapaense Ray Cunha. Há um lirismo em O desabrochar das rosas e um sarcasmo negro em Memorial dos gatos, porém, no geral, as histórias mostram uma busca existencial canalizada ao imediatismo dos prazeres. Vou dizer umas bobagens... O autor cita Ernest Hemingway em dois momentos, numa referência ao suicídio paralelo a intensidade de vida e melancolia. Pode ser que esses aspectos tenham dado alguma inspiração a essa obra, pois é o que vemos na maioria dos contos, principalmente no que deu nome ao livro. A citação ao escritor me fez lembrar também de uma de suas obras, O sol também se levanta, que toca nesses aspectos ao retratar uma juventude americana no período entre guerras (chato pacas, honestidade que só interessa a mim). Devaneios e loucuras em minhas percepções ao encontrar citações nessa obra ao grande escritor. Estou falando de lembrança do tema abordado e não comparativos. Essa obra parece ter um enfado ante a vida e o tal imediatismo que citei.

Título: Na Boca do Jacaré-Açu – A Amazônia como ela é
Autor: Ray Cunha
Editora: Ler Editora 
Ano: 2013
Páginas: 154
ISBN: 978-85-64898-45-5
Tema: Pará / Contos 

Na boca do jacaré-açú (referência a desembocadura do Amazonas) tem como protagonista Agostinho, um arqueólogo paraense, bem estabelecido financeiramente, que aparenta uma frustração na vida. Começam aí os paralelos entre melancolia e ardor nos prazeres como via de escape. O conto se desenrola com passagens pela Ilha de Marajó, que tem a natureza apresentada de maneira selvagem, do tamanho da vanglória do caçador que ele se tornou. Ah! Pudera... Sucuri de 12 metros, no melhor estilo Titanoboa, puxando búfalo para o rio, cheio jacarés tipo Sarcosuchus, em matas onde as onças não transmitem outra coisa que não seja a imagem de uma besta fera... Tem um propósito aí.  Enfim, é um cenário onde o personagem atira-se a um prazer, meio narcótico, de caçador, de justiceiro, e de buscas românticas, deixando em paralelo sua vida melancólica ante a exuberância amazônica. Percebemos dramas pessoais e familiares, onde a figura do pai tem também uma história traumática e impactante em sua vida. O arqueólogo tem essa disposição de conflitos internos, potencializados pelo vazio de Deus em sua mentalidade. A história avança até o mais trágico desfecho aos corações melancólicos (Lembra do Hemingway?). É o que parece sugerir, com sua disposição fatalista, de se entregar e se deixar tragar.  
A leitura teve um lado envolvente enquanto narrativa. Ressalte-se também que o conto faz parte de uma história abordada em outras obras como  O lugar errado (de 1996). Fiquei instigado a conhece-las. Foi o que restou.
Conheça, viaje, posicione-se, concorde, discorde, opine.

Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central

quinta-feira, 10 de março de 2016

A Revolução (Banda Catedral)



A Revolução
(Banda Catedral)

Vamos acabar com a hipocrisia
E aprender a dividir o pão
Viver com a verdade sem mentiras
Se resolver e esquecer a solidão
Varrer as ruas de toda maldade
Sonhar a cada instante
Esquecer a realidade
Construiremos uma nova realidade
Com igualdade e liberdade
Não vamos construir mais templos ricos
Deixar as crianças morrerem de fome
Se preocupar com o ouro e granito
Enquanto o mais próximo não come
O maior pecado cometemos todo o dia
O da inconveniência e da indecência
De fazer nada vezes nada...

Vamos decretar a revolução

E vamos dar terra a quem precisa
Sem se enganar com quem explora
A ideia da terra pela ideia do poder
A ideia da terra para alguém se eleger
Nos aposentaremos aos sessenta
Pois com cinquenta seremos vagabundos
Vagabundos no batente desde os quinze
Num país que é nossa pátria mãe gentil
Viva os deputados do congresso
E a exploração católica da pobreza
Viva a utopia mãe gentil
Viva o Brasil

A revolução da palavra
Pela palavra de Deus
A revolução do amor ao próximo
E do amor a Deus acima de todas as coisas.

Essa música faz parte do álbum A Revolução, lançado pela banda Catedral em 1998 no meio gospel. É o nono em sua trajetória, marcada pela abordagem a temas sociais,  e o que teve maior sucesso. Destaque para o virtuosismo do guitarrista Cézar, falecido em 2003. A letra faz uma crítica com ironia e ressalta a mensagem do evangelho no final. Legal!

quarta-feira, 9 de março de 2016

Cabanagem - A Revolução Popular da Amazônia (Pasquale Di Paolo)

Salve, galera esperta! Poxa, dei uma conferida em mais uma publicação da nossa biblioteca em Macapá e curti demais. Invariavelmente, viajei muito e gostaria de compartilhar. Claro, lembrando que são simples observações de um leitor, para teres uma visão da obra e, quem sabe, embarcar nessa viagem também. Saca só qual é a desse livro...

Essa obra foi premiada em 1985 com o primeiro lugar em um concurso nacional de monografias, promovido pelo Conselho Estadual de Cultura do Pará, por ocasião dos 150 anos da Cabanagem. Pasquale Di Paolo, o autor, é sociólogo e professor da UFPA (na ocasião). A abordagem traz um olhar sobre a Cabanagem (em suas origens, ideais e consequências) valorizando-a como revolução. Esse é o pensamento chave e a inspiração. Assunto de divergências históricas e, principalmente, até a publicação desse livro, sem ainda um registro valoroso e detalhado nessa concepção. Para melhor compreensão das pretensões, basta fazer um paralelo entre a principal obra historiográfica do tema e a proposta do livro.

Domingos Raiol tem a visão de motins ou rebeliões (como se registra no título de sua obra, "Motins Políticos") enquanto Pasquale Di Paolo propõem a revolução nortista (enunciado no subtítulo do livro, "A Revolução Popular da Amazônia"). O que influencia as diferentes percepções é a estruturação política e cultural.
Raiol enfatiza que isso foi determinante na derrota dos cabanos (o que está correto), porém, pela falta do suporte cultural, político e governamental, limita a percepção da Cabanagem essencialmente a revoltas armadas, de insatisfação, que não chegou a se torna revolução (algo que tivesse um projeto político unificado).
Pasquale traz a proposição revolucionária que unificou a Amazônia em um ideal libertário e, mesmo que tenha sido derrotada, se projetou e deixou raízes que viriam a influenciar a ideologia no império e História do Brasil.

Para chegar a essa valorização o autor considerou alguns aspectos. O primeiro é a inserção da revolução no cenário internacional, nacional e regional. A Cabanagem respondia a uma ideologia que acompanhava todos esses contextos. 

Em linhas gerais, no aspecto internacional, podemos citar a Revolução Francesa (1789), a independência dos EUA (1776) e os movimentos libertários nas Américas e Europa (como na Argentina em 1776 e na Grécia em 1822). No aspecto nacional, ocorreram muitas lutas que fervilharam no país (como a Revolução Pernambucana em 1824). Regionalmente, tem destaque a adesão do Pará ao separatismo (que havia gerado episódios que ficaram incutidos na determinação e inspiração cabana, como o massacre do brigue Palhaço em 1823), a questão indígena agravada com a expulsão dos jesuítas, e a cultura favorável à república e abolição da escravatura. Todos movimentos de lutas revolucionárias contra um conservadorismo e absolutismo resistentes. A Cabanagem tinha essa conotação, entre outras coisas.

Em seu desenvolvimento vemos: luta política, luta social e luta de resistência. Ressaltando-se o separatismo na questão política, a cidadania na questão social e a luta de resistência contra as forças legalistas. Pela soma disso tudo, e outras coisas que o autor aborda, está caracterizada uma revolução.

O autor disserta também sobre a visão elitista sobre o movimento, que contribuiu para esvazia-la de suas características e fragmentá-la a um ponto de rebeliões (ou motins, segundo Raiol), com uma ideologia de desvalorização. A concepção de Pasquale é popular, valorizando a consciência e disposição do povo para mudanças.

O livro é rico em histórias e orquestrações políticas que, para um leigo como eu, trouxeram curiosidades e descobertas. As mais relevantes falam das causas da derrota dos cabanos que, na minha ignorância histórica (mas de grande vontade de descobertas) ficou marcada por personagens que associei a derrocada, como o padre Prudêncio Tavares e o general legalista Francisco Soares Andréa

Dois personagens representativos de ideologias que influenciaram na derrota dos cabanos.

O primeiro, para mim, simboliza a resistência anti-cabana que o clero teve. Ele atuava em Cametá e exerceu forte influência a não adesão da população ao movimento (até com combates que derrotaram e mataram mais de cem cabanos). Transfigura-se nisso a oposição do clero à Cabanagem, que foi decisivo pela ausência do suporte intelectual ao novo governo. Outros sacerdotes tinham essa mesma visão, como em Abaeté e Vigia.
O segundo, o general, mostrou a postura legalista para derrota dos cabanos. O caminho foi terrível e genocida, vendo-se a formação de tropas com o livre-arbítrio para execuções, contando com mercenários contratados, com julgamento marcial severo imposto para todos de 15 anos para cima, estabelecendo isolamento de Belém, tendo a associação com o clero interesseiro contra os revolucionários e a ideologia elitista disseminada sobre o movimento. Segundo o autor, houve até estímulos de visão racista.
 

Entre os episódios descritos, foi interessante ler sobre os massacres em Vigia e do brigue Palhaço, além do plano de vingança do padre Prudêncio por conta da morte de alguns padres em retirada da região.  
São impressões sobre a obra, que tem muitos outros aspectos para se descobrir. No final o autor realça os ideais libertários dos cabanos que, embora derrotados, influenciaram a história subsequente. O último navio-negreiro a aportar em Belém, por exemplo, foi um ano antes da Cabanagem. Essa não foi uma luta de selvagens vindos das cabanas (olhar elitista), mas de valorosos brasileiros em busca de seus direitos (revolucionários enquanto povo marginalizado).

Título: Cabanagem: A Revolução Popular da Amazônia
Autor: Pasquale Di Paolo
Editora: Conselho Estadual de Cultura do Pará

Ano: 1985
Páginas: 416
Tema: Pará / História / Cabanagem

 


Algo que foge do contexto do livro é que gostaria de encontrar uma obra que fosse mas atenta e detalhada na descrição do povo (similar ao que Euclides da Cunha fez em "Os Sertões" sobre os sertanejos). Será que tem alguma desse jeito? Será que as centenárias obras de Raiol trazem isso? Não sei, mas quero conhecer muito mais dessa valorosa história. 
 
Gostei e viajei muito, equivocado ou não, mas tentando entender. E te convido para essa aventura no saber também. Já sabe sumano, a obra está disponível na
Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central

sexta-feira, 4 de março de 2016

Curiaú, a marca de uma geração (Sebastião Menezes da Silva)

O Curiaú é uma região de relevância histórica, cultural e ambiental em Macapá, sendo tema recorrente de pesquisas. Sebastião Menezes é um dos maiores estudiosos do tema, principalmente por ter origens no lugar, com uma importante contribuição no resgate do cotidiano e tradições. Valores que se repetem em seu mais recente livro, o terceiro, publicado em 2015 e direcionado ao público infantojuvenil. Conheça um pouco nos seguintes relatos...

Esta obra foi escrita por Sebastião Menezes e retrata a história das crianças e adolescentes do Quilombo do Curiaú, perpassando por suas brincadeiras, os tempos escolares e os fatos curiosos que aconteceram naquele lugarejo antes de todo o progresso dos dias atuais.
O objetivo principal deste trabalho, no entendimento do autor, é registrar de forma simples e original, fatos ou acontecimentos que marcaram a trajetória de vida do povo negro que habitou a nossa comunidade, para que no presente, assim como no futuro, possamos ter conhecimento e revivê-los.
 
(Rosa Ramos - Apresentação)

Ilustração do texto A semana da Pátria, 
sobre os desfiles cívicos (Desenho de M. Silva)
Estas histórias foram baseadas em fatos reais de nossa comunidade (Curiaú), fatos que foram presenciados, vividos e ouvidos de crianças e pré-adolescente.
As histórias, cada uma delas, possuem personagens, hoje adultos, que talvez nem lembrem do acontecido, mas vieram do Curiaú e a maioria ainda está viva.
Entre o Curiaú do passado e o Curiaú do presente existe uma grande mudança em relação a tudo. As crianças possuem um jeito, maneiras, hábitos, estilos e atitudes diferentes. Isto acontece de acordo com as mudanças dos tempos.
Os personagens que deram origem para estes textos não tiveram seus nomes expostos, mas com certeza alguém deduzirá de de quem se trata e eles deverão ser respeitados e homenageados, pois também fazem parte da história viva da Comunidade do Quilombo do Curiaú.
(Sebastião Menezes - Dedicatória)
Ilustração de "A História na vida infantil no Curiaú", 
 texto nostálgico (Desenho de M. Silva)

Relatos do cotidiano infantil na comunidade quilombola do Curiaú, resgatados por Sebastião Menezes de suas pesquisas e observações.
As histórias são pitorescas e trazem a percepção da identidade local, caracterizada pela forte interação com a natureza e tradições. Elementos como o rio, os animais, a agricultura, a pesca, o folclore e a vida estudantil na Escola José Bonifácio são recorrentes. Os relatos são sucintos, não passam de uma página, trazem ilustrações de M. Silva (artista plástico da localidade) e em geral tem um direcionamento educativo.
Os textos são descritivos e a abordagem não é específica a alguma personagem. As crianças no geral tem esse foco, em histórias reais e típicas.
Admiro o autor na valorização de sua comunidade e fiquei com a impressão de que a maioria dos relatos remetem-se à sua infância, pois elementos da modernidade (sucesso entre a criançada) não se fazem presentes, destacando-se as tradições. Isso é explícito no texto O que existia no Curiaú, que tem a exposição de saberes ultrapassados ou talvez em desuso (como o costume do almoço servido aos cachorros na festa de São Lázaro) e a mentalidade recorrente sobre a necessidade das crianças "pegarem" algumas doenças para crescerem mais fortes (esquisito isso, mas presente em outros tempos).
A leitura foi interessante e, se é pra opinar,  senti falta de elementos como o Marabaixo (algo tão característico quando pensamos no local) e daquelas histórias folclóricas contadas pelos veteranos (como os avós, tios, pais, etc e tal). Isso vem em minhas lembranças sobre a infância e, em uma obra de resgate cultural, bem que poderia ser algo valorizado também. Acredito que o Sabá deva ter ótimas e saborosas histórias assim, que enriqueceriam mais o livro (Ah, fica a ressalva de que o aspecto mitológico foi explorado pelo autor em outras obras e essa busca o resgate do cotidiano).
Para as crianças, para tenros leitores, para as escolas, para o Amapá!
(Registro no SKOOB)

Título: Curiaú, a marca de uma geração
Autor: Sebastião Menezes da Silva
Editora: Edição do Autor

Ano: 2015
Páginas: 83
Tema: Literatura Infantojuvenil / Curiaú


Como falei, os textos são curtos, educativos, ilustrados e a obra tem cerca de 60. Separei um deles: A natureza na vida das crianças.

 A obra está disponível na
Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia 

Macapá - Bairro Central