As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

À Sombra dos Castanhais (Laíses do Amparo Braga)

Romance paraense, que se mistura com o ambiente do Amapá, sobre a história de uma família de origem ribeirinha no início do século XX. Um retrato da vida nortista em suas expectativas, realidade rotineira, desilusões e realizações. 
A publicação é de 1991, de Laíses do Amparo Braga, tendo como característica mais marcante a história de luta de uma mulher. Ponto exaltado em outras de suas obras e que nesta, apesar da pretensão de protagonismo ao Manduca, não se faz diferente com o carisma de Emiliana, sua filha. Mulher decidida e idealista, que sobressai na cena de maneira mais interessante e cativante ao leitor.


Informações do livro:  
Título: À Sombra dos Castanhais  
Autora: Laíses do Amparo Braga
Editora: Falangola
Ano: 1991
Páginas: 165
Tema: Romance / Pará /Amapá

A obra tem três momentos em minha percepção. O primeiro faz um resgate da história de Manduca como ribeirinho na região do rio Cajari. Vemos a vida familiar interiorana com suas brevidades em construções (trabalho, casamento, descendência) e o cenário dos castanhais na realidade difícil e exploratória, como era comum na região do Jari. Algo que achei muito interessante foi a apresentação do cenário, que é introduzido de maneira idílica, embalando sonhos. A descrição é poética, principalmente nos dois primeiros capítulos, como um convite para conhecer a Amazônia. A partir daí os textos são pragmáticos no desenrolar do livro. A natureza se faz notar em sua mitologia também. Há a descrição da Lenda do rio Cajari e da região do Mazagão em episódios na tradicional Festa de São Tiago. Manduca é um jovem nesse meio com disposições, aprendizagens e oportunidades, sendo uma delas o casamento com a Zefa. 

O segundo momento está na vida familiar na Ilha do Pará, onde há o brotar de sonhos de seus cinco filhos (Deusalinda, Alvina, Emiliana, Dolores e Benvindo) pelos estudos e melhores condições de vida. A passagem é breve, mas significativa sobre a migração de muitos ribeirinhos, especialmente da região das ilhas interioranas, para as cidades. Há também um olhar sobre a cultura madeireira, que por muito tempo foi um dos principais sustentos nessas regiões. Iguais a esta família centenas na região migraram para Macapá, mas esse já será o terceiro momento no livro. Emiliana se faz notar e traz para si o protagonismo por seus sonhos e vontades incontidas. 

O terceiro momento, como já enunciado, é a vinda da família para Macapá, no recém-criado Território do Amapá, chamada de cidadezinha na obra e, ressalte-se, exatamente no período de criação territorial (1943). Havia expectativas grandes e oportunidades que se apresentavam especialmente por Macapá caminhar para se torna a capital - algo consumado no ano seguinte. A história se desenrola em uma passagem grande de tempo, cerca de quatro décadas, onde as personagens do pequeno núcleo familiar constroem suas vidas. As oportunidades chegam em diferentes contrastes, unindo mais ou separando-os. A transformação em Manduca é melancólica e reflete sobre escolhas pessoais.

É uma obra que tem pretensão de retrato de época, sem excentricidades, e é interessante por esse contexto de pseudorrealidade. Nada extraordinário, mas reconhecível em seus dramas. Essa foi uma releitura que fiz. A primeira foi em 1992 quando o romance foi indicado como literatura de consulta no Vestibular que prestei na UNIFAP. Eita! E lá se foram muitos anos à sombra dos castanhais...

É uma descrição limitada e pessoal da obra. 
Para sua consulta e avaliação, está disponível na
Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Sala da Literatura do Amapá e da Amazônia
 
Macapá - Bairro Central

segunda-feira, 9 de maio de 2016

As aventuras de Daniel Berg na selva amazônica (Marta Doreto de Andrade)

Biografia de Daniel Berg adaptada para a Literatura Infantojuvenil, sobre sua ação missionária na Amazônia, principalmente na região do Marajó, nas primeiras décadas do Século XX. A obra é também um resgate e valorização da história da Igreja Assembleia de Deus, da qual Daniel Berg foi um dos fundadores com Gunnar Vingren em 1911.
O missionário sueco percorreu os interiores da Amazônia levando sempre uma certa quantidade de Bíblias que, até então, eram um artigo de luxo para a maioria em seu manuseio e leitura. Dos eventuais encontros com crianças, a autora - Marta Doreto de Andrade - criou o cenário para o desenvolvimento do livro, onde Berg, instigado pela curiosidade infantil, conta um pouco de suas viagens e propósitos, direcionando sempre para o evangelismo.
Um livro muito interessante, com capítulos curtos e de fácil entendimento, ficando sempre (falo por minha leitura) um desejo de conhecer mais desses relatos, que impressionam e vivificam a fé.
Em referência aos aspectos que chamaram minha atenção, cito as histórias ocorridas em Quatipuru (com perseguições, livramento e perseverança), a mensagem pentecostal pregada (alvo de críticas e difamação da igreja desde o início), 
a conversão do dono de um bar, a cura de uma idosa à beira da morte e o livramento de feras.
O ponto alto mesmo, e sempre mais emocionante, refere-se à anunciação e aceitação do Evangelho. Algo tocante ao conhecermos a trajetória árdua, sofrida e com barreiras desestimulantes para essa realização. Uma história que deixou marcas na Amazônia e anunciou a mensagem de Cristo para milhares de vidas. Interessante para crianças, jovens e adultos.

Marta Doreto de Andrade é professora de crianças, comentarista de revistas de Escola Dominical na área infantil e autora de livros editados pela CPAD.

Daniel Berg (1884-1963) foi um missionário evangelista pentecostal sueco que atuou na Amazônia e Nordeste. Juntamente com Gunnar Vingren iniciou o movimento pentecostal brasileiro  que deu origem à Igreja Evangélica Assembleia de Deus, em Belém do Pará (1911). 

Informações do livro: 
Título: As aventuras de Daniel Berg na selva amazônica
Autora: Marta Doreto de Andrade
Editora: CPAD
Ano: 2009
Páginas: 184

ISBN: 978-85-263-0986-9
Tema: Biografia / Daniel Berg / Infantojuvenil / Amazônia

"Então, Jesus aproximou-se deles e disse: "Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos".
Mateus 28:18-20