As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

1911: Missão de Fogo no Brasil (Rui Raiol)

Após 21 anos de missão no Brasil, Gunnar Vingren regressa à Suécia com a família (1932). A bordo do Alabama, enquanto contempla a cidade do Rio de Janeiro se afastar no horizonte, o pastor conhece Robert Clark, um jovem jornalista americano. Descobrindo que Vingren é fundador da Assembleia de Deus, Clark sugere que o missionário narre suas memórias durante o longo trajeto. O resultado é uma bela síntese histórica da Assembleia de Deus em seus primeiros anos. Com cenários riquíssimos, você reviverá com Gunnar Vingren e Daniel Berg essa fantástica aventura. Sentirá a emoção dos primeiros cultos e dos primeiros batismos. Caminhará lado a lado na fundação de igrejas pelo Brasil, testemunhando perigos, fé e perseguições implacáveis. 1911 - Missão de Fogo no Brasil: a fundação da Assembleia de Deus, de Rui Raiol, é a primeira ficção sobre a obra pentecostal brasileira. (Texto retirado do livro)
Informações do livro:
Título: 1911 - Missão de Fogo no Brasil
Autor: Rui Raiol
Editora: Paka-Tatu
Páginas: 162
Ano de publicação: 2011
Tema: História da Igreja Evangélica Assembleia de Deus

Gunnar Vingren e esposa Frida, batismo entre os pioneiros e primeiro templo da Assembleia de Deus em Belém (Imagens retiradas do livro)
Registro no SKOOB
Uma obra edificante e emocionante, fruto da pesquisa de Rui Raiol sobre a história da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, centenária em 2011. Não se propõe a ser um livro didático, os fatos são apresentados de maneira romanceada. Gunnar Vingren, um dos missionários fundadores, conta a trajetória da igreja para um jovem jornalista durante a viagem de retorno definitivo a sua terra natal (Suécia, em agosto de 1932) após 21 anos de evangelização e pastorado no Brasil. Os fatos são verídicos, mas a entrevista resulta de opção fictícia para contar a história. 
É dessa maneira que conhecemos a Assembleia de Deus desde seus primeiros anos, com a chegada em Belém de Daniel Berg e Gunnar Vingren em 1910, ressaltando-se suas motivações, dificuldades e visão missionária. Os relatos impressionam pela dramaticidade (perseguições, apedrejamentos, oposições diversas - principalmente religiosa - doenças, tentativas de homicídio, acidentes, encontro com feras, etc) ou apresentam-se inusitados e pitorescos nas impressões iniciais dos estrangeiros com a terra (como a descoberta do canto dos galos nas madrugadas, o "anoitecer rápido", os hábitos do nortista, o café adocicado, o contraste entre riqueza e pobreza nas ruas de Belém no final áureo do ciclo da borracha). Qualquer observador atento descobre muitas coisas, em uma história de edificação e motivação para todo crente.
Entre os destaques, o capítulo 13 evoca um cenário futurista triste, possível quando a igreja dá lugar a doutrinas mundanas por descuido dos membros (o episódio foi introduzido como um alerta ao zelo na fé, diante da perspectiva de um cristianismo onde Jesus não é o cabeça - triste, mas infelizmente real, na prática, para muitos). Livra-nos Deus, para não sermos esses protagonistas. No capítulo 14 vemos uma narrativa para reflexão sobre a transitoriedade da vida e perseverança em Cristo. 
Alguns pontos históricos citados foram a origem da Assembleia de Deus (denominação) com a participação de antigos membros da Igreja Batista, o crescimento rápido e a visão pentecostal inovadora.
Sobre barreiras para a evangelização há relatos parecidos em vários locais, como o que ocorreu em Macapá sobre a proibição do evangelismo aos protestantes (imposta por autoridades religiosas, havendo retirada à força de literatura bíblica seguida de queima em praça pública).

Enfim, é um livro abençoado, rico em exemplos e inspiração para a fé.