As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.
Mostrando postagens com marcador Louvores a Cristo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Louvores a Cristo. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Luna Castelo : )

Sobrinha querida! Deus abençoe sua vida!



Cumpra-se em nós o que diz o

Salmo 23:1
"O Senhor é o meu Pastor, nada me faltará."

terça-feira, 18 de julho de 2017

Assembleia de Deus: Cem anos de transformações espirituais e sociais no Amapá (Francisco Sena - ORG, 2017)

Obra preciosa, disponibilizando referencial histórico pouco difundido e, em termos gerais, desconhecido pelo povo amapaense. A abordagem apresenta pesquisa sobre o Centenário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Amapá, tema tratado também em valorosas publicações recém lançadas, mas com diferencial de resgate histórico da trajetória do catolicismo e de outras denominações evangélicas no estado após o pioneirismo assembleiano.
Os autores, pesquisadores vinculados à FATECH - Faculdade de Teologia e Ciências Humanas, traçaram um panorama que permite a percepção da igreja em sua ação na Amazônia e Amapá, ressaltando fases, principais pontos relacionados a elas e atual situação do "assembleianismo" amapaense. Aspectos que se organizam em quatro artigos de maneira sucinta, tendo riqueza e ineditismo de informações, principalmente para a classe estudantil.

Título: Assembleia de Deus:
           Cem anos de transformações espirituais e sociais no Amapá
Autores: Francisco Maurício de Sena Júnior (ORG)
               Ezer Belo das Chagas
               Edna Pasini das Chagas
               Falbert Maurício de Sena
               Fredson Maurício de Sena
               Flábio Sena
Editora: Tarso
Páginas: 59
Ano: 2017

Breve História da Igreja Católica no Amapá é o primeiro momento e o que chamou minha atenção foram as considerações sobre a ação missionária na Amazônia, marcada pela expulsão dos jesuítas na metade do século XVIII. Nas considerações essa ação deixou as missões suscetíveis à incorporação de tradições, ritos e festejos até então não oficializados no catolicismo, mas aceitáveis na adesão popular (o livro não cita, mas me veio como exemplo a visão sobre a Festa em Mazagão ou o reconhecimento de santos vindos do apelo popular, que em determinado momento ultrapassaram uma hierarquia administrativa e se estabeleceram).
Outros aspectos importantes foram: a oficialização do catolicismo como religião do país entre as constituições de 1824 e 1891 (criando raízes para conflitos que se estabeleceram na visão sobre outros credos, pela mentalidade sobre o permissivo e subversivo, transmitida de forma tradicional entre as gerações); o engajamento nas causas sociais (para muitos, em termos práticos, criou imagem de fusão entre poder governamental e autoridade religiosa); e a reformulação dinamizada pelo Movimento Carismático.
Em Macapá, destaque para a Igreja de São José (o prédio mais antigo da cidade, de 1861), os conflitos com a chegada dos primeiros missionários evangélicos e a história do estabelecimento do Círio de Nazaré.

Em Breve História das Igrejas Evangélicas no Amapá é apresentado o pioneirismo dos missionários  da Assembleia de Deus, algo que tem sido estudado em maior destaque esse ano, por isso o que me instigou mais nesse artigo foram informações sobre o início de outras denominações evangélicas (como os Presbiterianos nos anos 40 e Batistas nos anos 50). Desse ponto em diante o foco do livro é voltado apenas aos assembleianos e, a exemplo do que aconteceu em outras partes do Brasil e em histórias do início da denominação, vemos também dissensões entre os líderes no Amapá na trajetória da igreja, gerando separações. Fato decorrente de desacordos ministeriais que deram origem a duas convenções estaduais de pastores: a CEMEADAP (Convenção Estadual dos Ministros das Assembleias de Deus no Amapá)  e UFIADAP (União Fraternal das Igrejas Assembleia de Deus no Amapá), que tem suas histórias contadas em aspectos, embora conflituosos e nessa caracterização nada bonitos, de importância para estudos.

As transformações na Assembleia de Deus é o terceiro artigo e dos mais interessantes no livro, por mostrar a identidade atual dos assembleianos no Amapá. Duas coisas se destacam: a educação teológica de cunho acadêmico valorizada e incentivada entre os líderes, e a admissão de pastoras no ministério. Esses aspectos se ressaltaram na convenção de ministros ligados principalmente à UFIADAP que, ao lado de outra convenção de pastores do Distrito Federal (no parecer do livro) são as únicas que fazem a consagração de pastoras no ministério da Igreja Assembleia de Deus no país. Temos congregações amapaenses que são lideradas por pastoras e é ressaltado que a aceitação é grande, apesar de conservadorismo ainda presente.
O capítulo tem uma parte também interessante sobre a participação de mulheres nos relatos bíblicos do Novo Testamento. Deixo em registro as profetizas filhas de Felipe (Atos 21:8-9), a docência na igreja de Priscila (Atos 18:26) e o trabalho assistencial de Tabita, também chamada de Dorcas (Atos 9:36-43). Destaque para Gálatas 3:28, sobre a ação desejada na igreja.

O crescimento das Assembleias de Deus no Brasil e Amapá mostra um decréscimo no movimento pentecostal em termos gerais, baseado em dados do IBGE. O texto analisa a história e cita aspectos que favoreceram o avivamento no primeiro momento da chegada dos pentecostais. Estão relacionados à valorização dos marginalizados (pobres, negros, índios, ribeirinhos, analfabetos) e, principalmente, em entrega a um propósito de vida que para muitos não parece mais novidade hoje. Penso em frieza espiritual quando o evangelho parece encoberto em seu valor aos olhos de uma sociedade que procura enquadrá-lo a seus interesses e não ao real objetivo de viver em comunhão com Deus.

O livro tem esses e outros aspectos muito interessantes para reflexão e discussões no estudo da trajetória da Igreja Assembleia de Deus no Amapá.
Com exceção de alguns pontos na organização e layout que não curti, a obra é preciosa e fundamental para estudantes, historiadores e teólogos que queiram enriquecer suas pesquisas sobre o Amapá.

Mais informações sobre a história centenária da Assembleia de Deus no Amapá em:

quarta-feira, 22 de março de 2017

Compêndio de Curiosidades Bíblicas (Gesiel Oliveira)

"Este livro foi desenvolvido por se perceber carência no tema. O escopo primordial é dar subsídios aos leitores em síntese breve, mas objetiva, de assuntos de interesse bíblico, desmistificando e elucidando dúvidas frequentes ao estudante da Bíblia, além de descortinar curiosidades sobre assuntos seculares conexos. A aplicação é abrangente, servindo de imprescindível suplemento para professores e alunos de Escola Bíblica Dominical, obreiros em geral, aspirantes ao ministério, estudantes de teologia, pregadores, mestres, enfim, a todos que tiverem interesse e curiosidade sobre assuntos pertinentes à Bíblia. Espero que o leitor possa aproveitar da melhor maneira possível o conteúdo e que possa ampliar seus conhecimentos a respeito das Sagradas Escrituras."
(Pr Gesiel Oliveira - Autor)

Informações do livro: 
Título: Compêndio de Curiosidades Bíblicas - Desvendando as entrelinhas da Bíblia
Autor: Gesiel de Souza Oliveira
Editora: Gráfica & Editora Brasil Ltda (E-book)
Páginas: 90
Ano de publicação: 2011
Tema: Curiosidades bíblicas


Uma forma divertida, envolvente e curiosa de conhecer as Sagradas Escrituras. Basicamente, é um livro com perguntas e saberes, inusitados e importantes, onde o leitor descobre aspectos diversos e surpreendentes. Alguns são amenidades (maior ou menor versículo, total de capítulos ou versículos, o capítulo do meio da Bíblia, etc e tal), outros abrangem a geografia bíblica, contexto de época, particularidades não conhecidas de várias personagens, visão sobre livros apócrifos, cultura judaica e algumas brincadeiras ingênuas (tipo assim, que capital brasileira tem o nome citado na Bíblia? Fácil, Fácil! Opa! Se é para brincar, será que o autor conhece aquela pegadinha sobre a mulher na Bíblia que criou Asa e não voou? Ops! Na forma escrita não dá para disfarçar muito a questão...).
Falando sério, curti o livro, principalmente na valorização ao contexto de época, que proporciona curiosas histórias. 
A organização é em perguntas e respostas com as respectivas passagens bíblicas registradas, totalizando 566 questões. Uma que muito me chamou a atenção foi a correlação que o autor fez das chamadas 10 pragas do Egito com a mitologia naquele contexto. Sensacional a abordagem, que nunca tinha visto. Mas também senti falta de algo nas curiosidades bíblicas: sobre os irmãos de Jesus, que tem citações diversas nos evangelhos e epístolas, iniciando com aquela de Jesus ser o filho unigênito do Pai (João 3:16) e o primogênito de Maria (Lucas 2:7).
Enfim, um livro bem sugestivo para leitura no celular, capaz de divertir, edificar, surpreender e trazer um conhecimento muito legal.
 

GESIEL OLIVEIRA é amapaense, professor, teólogo, escritor, palestrante e pastor na Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Macapá.

A quem interessar, o autor disponibilizou o download no seguinte link 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O centenário da chegada dos evangélicos no Amapá: 1917 - 2017 (Besaliel Rodrigues, 2017)

Olá, gente boa! Estou divulgando mais uma obra histórica sobre a chegada dos evangélicos no Amapá, centenária esse ano. Veja aí algumas considerações.

Informações do livro: 
Título: O centenário da chegada dos evangélicos no Amapá: 1917-2017
Autor: Besaliel Rodrigues 
Editora: Edições da Amazônia
Páginas: 44
Ano de publicação: 2017
Tema: Pentecostalismo - Cristianismo - História - Assembleia de Deus - Amapá



Conforme termo referenciado no prefácio e apresentações que acompanhei, é um opúsculo introdutório às publicações em comemoração ao centenário da chegada dos evangélicos no Amapá.
A obra é sucinta, tem menos de 50 páginas e foi lançada oficialmente em 24/01/2017, em culto no templo central da Assembleia de Deus A Pioneira em Macapá. As informações tratam da representatividade, contexto de época, inspirações e origens do movimento pentecostal até chegar ao Amapá. Vemos o resgate histórico do pentecostalismo em seu significado na cultura judaica, analisando-se também a percepção correlacionada que passou a ter no início da igreja cristã. Destaque para o movimento pentecostal nos Estados Unidos no século XX, que inspirou a formação da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, como congregação em 1911.
Esse olhar é interessante para perceber as motivações que trouxeram os evangélicos ao Amapá, iniciando nessa terra uma obra importante e valorosa que comemora agora seu centenário. 
O autor tece considerações sobre o movimento pentecostal que chamam a atenção. Segundo a análise, o termo pentecostes remete à cultura judaica e talvez não seja o mais apropriado para definir o derramamento do Espírito Santo relatado na formação da igreja no livro de Atos dos Apóstolos. O termo se associou por estar sendo celebrado naquele momento a Festa do Pentecostes Judaico, comemorada cinquenta dias após a Páscoa. A observação é de tentar facilitar o entendimento ao leitor do significado pentecostal, porém, faltou uma ênfase ao que seria mais adequado em termos de nomenclatura. 
Página 44
Gostei especialmente do capítulo 9, que descreve a chegada do missionário Clímaco em Macapá com detalhes que não conhecia. Descoberta interessante saber da conversão e apoio que recebeu do morador local Fausto, o primeiro evangélico da terra. A questão da rejeição ao missionário e prisão arbitrária que sofreu também é investigada em um contexto social e jurídico que existiu entre as constituições de 1824 e 1891, que ainda influenciava a sociedade. 
Outro ponto de destaque é a linha do tempo com a história centenária da Assembleia de Deus. Acredito que ainda está em pesquisa e enriquecimento, podendo ser ampliada ou feita alguma correção, como talvez a data precisa da queda do primeiro templo da igreja.  
Por essas e outras é uma obra valorosa, principalmente pelo déficit de material no tema.
(Registro no SKOOB, em 10/02/17)


A seguir, duas datas que separei da linha do tempo
 do centenário da Igreja Assembleia de Deus em Macapá:
             1922 a 1940 
- O período foi um dos mais difíceis para a nascente Igreja em nossa cidade; vários fatos impediam obreiros de fixarem residência para a assistência ao trabalho. A obra estava sob jurisdição da AD de Belém-PA, que de tempos em tempos enviava missionários ou pastores para visitá-la. 
- A Igreja não tinha templo, funcionava nas casas.

            1941 a 1944 
- Até o início da década de 1940, vários pastores por aqui vieram cuidar da pequeninha igreja que em Macapá funcionava, mas nenhum fixou residência. O primeiro fixo foi o Pastor Flávio Monteiro. Nesse período construíram a primeira congregação (de madeira) e a casa pastoral (atrás). Os bancos para sentar eram sem encosto e a iluminação era a antiga lamparina, tudo na maior simplicidade. Mesmo nesse ambiente, Deus enchia a todos com o Espírito Santo.
- Os pastores, muitas vezes, para complementar suas humildes despesas do dia a dia, faziam carvão (nos terrenos mais distantes) e farinha (ao lado da pequena congregação) para posteriormente venderem por preço irrisório e assim complementarem suas despesas. Mas tudo valeu a pena!
Disponível para consultas na Biblioteca Ambiental da SEMA.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

História da Assembléia de Deus - A Pioneira - Macapá (Besaliel Rodrigues, 2007)

Estamos no ano do centenário da Assembleia de Deus no Amapá e tenho me interessado pelas publicações que contam essa história. O ministério amapaense é denominado Assembleia de Deus "A Pioneira" e foi estabelecido oficialmente em 1917 com a abertura da primeira congregação evangélica no Amapá.


Informações do livro: 

Título: História da Assembléia de Deus - A Pioneira - Macapá
Autor: Besaliel de Oliveira Rodrigues 
Editora: Edições da Amazônia
Páginas: 40
Ano de publicação: 2007
Tema: História da Igreja - Assembleia de Deus - Amapá - Pentecostalismo - Eclesiologia
 
 




Essa obra foi lançada em 2007, na ocasião dos 90 anos da igreja, e tem autoria do pastor e historiador Besaliel Rodrigues. Viajo muito nas histórias, sendo motivado com as descobertas desde o missionário Clímaco Bueno Aza, que chegou a essas terras em 1916 como colportor e enfrentou muitas dificuldades, começando pela atribulada viagem de barco à vela, em condições acirradas de cerca de 15 dias no trajeto de Belém a Macapá.
A publicação está sucinta, com resgate de fatos históricos e do saber oral. A diferença para o livro anterior é o texto mais resumido, porém, com acréscimos sobre a trajetória da igreja entre os anos 2000 e 2007. 
Logomarca dos 90 anos 
em 2007
As descobertas são edificantes, em especial ao período que se estendeu entre 1917 e a década de quarenta, caracterizado por perseguições e calúnias ao pequeno grupo evangélico. O diferencial é que não haviam pastores residentes em Macapá nesse período e a igreja era visitada rotineiramente pelos missionários de Belém. Existia um contexto que tentava dificultar a visitação dos pastores, considerando o fato de serem estrangeiros, estar em ebulição a segunda guerra mundial e outras coisas para descoberta na leitura. A igreja recebia orientações para os encontros e cultos que realizavam através de membros locais. Algo que está sendo corrigido em relação à essa obra é a ausência de fotos. O autor está preparando uma edição atualizada, mais robusta e ricamente ilustrada para ser lançada nesse ano.
Graças a Deus por todas as coisas.



Disponível para consultas na
Biblioteca Ambiental da SEMA em Macapá.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

História da Assembleia de Deus - A Pioneira - Estado do Amapá (Besaliel Rodrigues, 2001)

Olá, a todos! Feliz pelo reencontro! Voltando às atividades no novo ano, que traz duas datas muito representativas: o Centenário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Amapá e os 500 Anos da Reforma Protestante. Assim, desejo contribuir também com algo relacionado aos temas.

O centenário da Assembleia de Deus Amapaense, conhecida como A Pioneira, marca também os cem anos da chegada dos evangélicos no Amapá. Interessante que o primeiro missionário assembleiano chegou em 1916 (Clímaco Bueno Aza), mas a contagem do centenário se dá a partir da fundação da primeira congregação em 27/06/1917 (com o pastor José de Matos Caravela). Essas e outras histórias foram abordadas no livro pioneiro de resgate dessa trajetória, escrito pelo pastor e historiador Besaliel Rodrigues. Eis uma pequena apresentação.

Informações do livro: 

Título: História da Assembleia de Deus - A Pioneira - Estado do Amapá 
Autor: Besaliel de Oliveira Rodrigues 
Editora: Gráfica Diniz 
Páginas: 85 
Ano de publicação: 2001 
Tema: História da Igreja - Assembleia de Deus - Amapá 





"...É a primeira vez que alguém ousa escrever a história da Assembleia de Deus no Amapá. Sei que a empreitada não foi fácil. Sabemos que a informação oral é esparsa e documentos escritos se perderam. Contudo, o autor, como um descobridor de pérolas, soube mergulhar no oceano das informações e dos fatos garimpar as melhores pérolas escondidas da história do povo de Deus no Amapá, e nos brindar com esta joia literária que passa a ser um valioso presente a história da Assembleia de Deus..." 
(Trecho do Prefácio escrito pelo pastor Oton Miranda de Alencar - Presidente da Assembleia de Deus- "A Pioneira")
 
Registro no SKOOB (em 06/02/14)

Essa obra é a única que conheço, no momento, com a história da Igreja Assembleia de Deus no Amapá. A edição é de 2001 e tem 85 páginas. As histórias que o livro apresenta são reveladoras e desconhecidas por grande parte dos próprios membros da igreja. 
A Assembleia de Deus "A Pioneira", justificando o nome como é conhecida em Macapá, foi precursora como igreja evangélica amapaense. O livro apresenta relatos interessantes, como a vinda do missionário Clímaco Bueno Aza (em 1916) e a receptividade opressora que teve por parte do Padre Júlio Maria Lombard, em que ocorreu a retirada à força das Bíblias e folhetos do missionário, seguindo-se a prisão arbitrária na Fortaleza de Macapá e a queima do material nas imediações da igreja de São José. Restou o lamento pela perda de oportunidade para muitos terem a Escritura Sagrada, ou partes dela, pela primeira vez.
Descobri também que a atual sede da Igreja AD ia ser construída no local onde hoje está a EMBRATEL, ao lado do Teatro das Bacabeiras, só não ocorrendo devido a solicitação do Governador para que fosse escolhido outro local, em atendimento a um desconforto das autoridades católicas. 
O livro apresenta outros relatos importantes e alguns eventos não foram tratados (como o desabamento do teto do primeiro templo central). Pontos que certamente serão abordados em uma nova e necessária edição.
Há a biografia resumida de cada um dos pastores da sede, com atenção detalhada ao ministério do Pastor Otoniel Alencar, entre 1962 e 1994, um dos mais longos no Brasil e frutífero em muitos aspectos no Amapá.
O que não gostei foi a ausência de fotografias, que por si mesmas contariam muita história. 
Enfim, é um livro de cunho histórico e de leitura fundamental a todos que queiram conhecer a Igreja Assembleia de Deus no Amapá. 

A quem interessar, pode ser consultado no acervo 
da Biblioteca Ambiental da SEMA em Macapá.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

1911: Missão de Fogo no Brasil (Rui Raiol)

Após 21 anos de missão no Brasil, Gunnar Vingren regressa à Suécia com a família (1932). A bordo do Alabama, enquanto contempla a cidade do Rio de Janeiro se afastar no horizonte, o pastor conhece Robert Clark, um jovem jornalista americano. Descobrindo que Vingren é fundador da Assembleia de Deus, Clark sugere que o missionário narre suas memórias durante o longo trajeto. O resultado é uma bela síntese histórica da Assembleia de Deus em seus primeiros anos. Com cenários riquíssimos, você reviverá com Gunnar Vingren e Daniel Berg essa fantástica aventura. Sentirá a emoção dos primeiros cultos e dos primeiros batismos. Caminhará lado a lado na fundação de igrejas pelo Brasil, testemunhando perigos, fé e perseguições implacáveis. 1911 - Missão de Fogo no Brasil: a fundação da Assembleia de Deus, de Rui Raiol, é a primeira ficção sobre a obra pentecostal brasileira. (Texto retirado do livro)
Informações do livro:
Título: 1911 - Missão de Fogo no Brasil
Autor: Rui Raiol
Editora: Paka-Tatu
Páginas: 162
Ano de publicação: 2011
Tema: História da Igreja Evangélica Assembleia de Deus

Gunnar Vingren e esposa Frida, batismo entre os pioneiros e primeiro templo da Assembleia de Deus em Belém (Imagens retiradas do livro)
Registro no SKOOB
Uma obra edificante e emocionante, fruto da pesquisa de Rui Raiol sobre a história da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, centenária em 2011. Não se propõe a ser um livro didático, os fatos são apresentados de maneira romanceada. Gunnar Vingren, um dos missionários fundadores, conta a trajetória da igreja para um jovem jornalista durante a viagem de retorno definitivo a sua terra natal (Suécia, em agosto de 1932) após 21 anos de evangelização e pastorado no Brasil. Os fatos são verídicos, mas a entrevista resulta de opção fictícia para contar a história. 
É dessa maneira que conhecemos a Assembleia de Deus desde seus primeiros anos, com a chegada em Belém de Daniel Berg e Gunnar Vingren em 1910, ressaltando-se suas motivações, dificuldades e visão missionária. Os relatos impressionam pela dramaticidade (perseguições, apedrejamentos, oposições diversas - principalmente religiosa - doenças, tentativas de homicídio, acidentes, encontro com feras, etc) ou apresentam-se inusitados e pitorescos nas impressões iniciais dos estrangeiros com a terra (como a descoberta do canto dos galos nas madrugadas, o "anoitecer rápido", os hábitos do nortista, o café adocicado, o contraste entre riqueza e pobreza nas ruas de Belém no final áureo do ciclo da borracha). Qualquer observador atento descobre muitas coisas, em uma história de edificação e motivação para todo crente.
Entre os destaques, o capítulo 13 evoca um cenário futurista triste, possível quando a igreja dá lugar a doutrinas mundanas por descuido dos membros (o episódio foi introduzido como um alerta ao zelo na fé, diante da perspectiva de um cristianismo onde Jesus não é o cabeça - triste, mas infelizmente real, na prática, para muitos). Livra-nos Deus, para não sermos esses protagonistas. No capítulo 14 vemos uma narrativa para reflexão sobre a transitoriedade da vida e perseverança em Cristo. 
Alguns pontos históricos citados foram a origem da Assembleia de Deus (denominação) com a participação de antigos membros da Igreja Batista, o crescimento rápido e a visão pentecostal inovadora.
Sobre barreiras para a evangelização há relatos parecidos em vários locais, como o que ocorreu em Macapá sobre a proibição do evangelismo aos protestantes (imposta por autoridades religiosas, havendo retirada à força de literatura bíblica seguida de queima em praça pública).

Enfim, é um livro abençoado, rico em exemplos e inspiração para a fé.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

As aventuras de Daniel Berg na selva amazônica (Marta Doreto de Andrade)

Biografia de Daniel Berg adaptada para a Literatura Infantojuvenil, sobre sua ação missionária na Amazônia, principalmente na região do Marajó, nas primeiras décadas do Século XX. A obra é também um resgate e valorização da história da Igreja Assembleia de Deus, da qual Daniel Berg foi um dos fundadores com Gunnar Vingren em 1911.
O missionário sueco percorreu os interiores da Amazônia levando sempre uma certa quantidade de Bíblias que, até então, eram um artigo de luxo para a maioria em seu manuseio e leitura. Dos eventuais encontros com crianças, a autora - Marta Doreto de Andrade - criou o cenário para o desenvolvimento do livro, onde Berg, instigado pela curiosidade infantil, conta um pouco de suas viagens e propósitos, direcionando sempre para o evangelismo.
Um livro muito interessante, com capítulos curtos e de fácil entendimento, ficando sempre (falo por minha leitura) um desejo de conhecer mais desses relatos, que impressionam e vivificam a fé.
Em referência aos aspectos que chamaram minha atenção, cito as histórias ocorridas em Quatipuru (com perseguições, livramento e perseverança), a mensagem pentecostal pregada (alvo de críticas e difamação da igreja desde o início), 
a conversão do dono de um bar, a cura de uma idosa à beira da morte e o livramento de feras.
O ponto alto mesmo, e sempre mais emocionante, refere-se à anunciação e aceitação do Evangelho. Algo tocante ao conhecermos a trajetória árdua, sofrida e com barreiras desestimulantes para essa realização. Uma história que deixou marcas na Amazônia e anunciou a mensagem de Cristo para milhares de vidas. Interessante para crianças, jovens e adultos.

Marta Doreto de Andrade é professora de crianças, comentarista de revistas de Escola Dominical na área infantil e autora de livros editados pela CPAD.

Daniel Berg (1884-1963) foi um missionário evangelista pentecostal sueco que atuou na Amazônia e Nordeste. Juntamente com Gunnar Vingren iniciou o movimento pentecostal brasileiro  que deu origem à Igreja Evangélica Assembleia de Deus, em Belém do Pará (1911). 

Informações do livro: 
Título: As aventuras de Daniel Berg na selva amazônica
Autora: Marta Doreto de Andrade
Editora: CPAD
Ano: 2009
Páginas: 184

ISBN: 978-85-263-0986-9
Tema: Biografia / Daniel Berg / Infantojuvenil / Amazônia

"Então, Jesus aproximou-se deles e disse: "Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos".
Mateus 28:18-20